Jerónimo Martins e Sonae sobem no ranking global do retalho da Deloitte

  • Lusa
  • 15 Janeiro 2018

De acordo com o estudo anual revelado esta segunda-feira, a Jerónimo Martins é hoje o 56.º maior retalhista mundial e a Sonae subiu para o 167.º lugar.

A Jerónimo Martins e a Sonae subiram no ‘ranking’ global do retalho em 2017, face ao ano anterior, registando “uma evolução significativa da sua posição”, revela hoje o estudo anual da Deloitte ‘Global Powers of Retailing 2018’.

“A Jerónimo Martins é hoje o 56.º maior retalhista mundial (64.º na edição anterior), a sua melhor posição de sempre, fruto de um crescimento de cerca de 6,5% no seu volume de negócios, para o qual contribuíram todas as geografias e insígnias do grupo”, lê-se no estudo.

Já a Sonae “ascendeu ao 167.º lugar (175.º na edição anterior), tendo os proveitos gerados pelo negócio de retalho ultrapassado, pela primeira vez, a fasquia dos cinco mil milhões de euros. Face ao ano anterior, as vendas cresceram mais de 12%, fruto de crescimento orgânico e de aquisições como a Salsa e a Go Natural”, acrescenta.

“A subida de oito lugares no ‘ranking’ por parte de ambas as empresas é um marco assinalável, sobretudo por ocorrer num ano (2016) em que o euro se manteve relativamente estável face ao dólar norte-americano”, considerou Pedro Miguel Silva, sócio da indústria de retalho e bens de consumo da Deloitte, citado em comunicado.

As receitas agregadas das 250 maiores empresas de retalho a nível mundial ascenderam aos 4,4 biliões de dólares no ano fiscal de 2016 (que corresponde ao exercício encerrado até junho de 2017), o que representa uma subida de 4,1% face ao ano anterior, segundo o estudo ‘Global Powers of Retailing 2018: Transformative change, reinvigorated commerce’, da Deloitte.

Wal-Mart, Costco Wholesale, The Kroger, Schwarz Group e Walgreens Boots Alliance continuaram a liderar a classificação nesta edição do estudo e “as maiores alterações registaram-se nas restantes posições do ‘top’ 10, devido a uma combinação de fatores que incluem crescimento orgânico, processos de aquisição e variações na taxa de câmbio”.

A Amazon subiu do 10.º para o 6.º lugar, com receitas perto de 100 mil milhões de dólares (cerca de 82 mil milhões de euros, à taxa de câmbio atual), destacando-se também a “entrada da CVS Health para o lugar da Tesco, que deixa de estar entre os 10 maiores retalhistas do mundo”, adianta o estudo.

O ‘top’ 10 representa 30,7% da receita total das 250 maiores retalhistas (30,4% na edição anterior).

“O retalho beneficiou de um clima económico favorável, com a generalidade das principais economias mundiais e emergentes a apresentarem crescimento. O setor enfrenta, contudo, ameaças significativas, como a crescente desigualdade no rendimento das famílias, a possível introdução de medidas protecionistas em mercados como os Estados Unidos e o Reino Unido e o abrandamento das políticas monetárias expansionistas pelos principais bancos centrais”, explicou, no comunicado, Luís Belo, sócio e líder da indústria de retalho e bens de consumo da Deloitte.

Outro dos destaques da 21.ª edição do estudo é que, pela primeira vez, em quatro anos, “os maiores retalhistas de moda e acessórios não lideram o crescimento das receitas, mas continuam a ser o setor mais rentável”.

Entretanto, os retalhistas alimentares continuam a ser as empresas de maior dimensão, com uma média de receitas de 21,7 mil milhões de dólares (cerca de 22,2 mil milhões de euros), e com maior representatividade no ‘ranking’ (135 retalhistas representam mais de metade de 250 maiores empresas e dois terços das receitas agregadas).

O estudo identificou ainda as quatro principais tendências do setor: desenvolvimento de competências digitais de elevado valor; combinação de canais para recuperar o tempo perdido; criação de experiências em loja que sejam únicas e envolventes; e reinvenção do retalho com as mais recentes tecnologias.

“É um momento de transformação para o retalho. Capacitado pela tecnologia, o comprador está claramente no comando, mantendo-se constantemente conectado e estando mais habilitado do que nunca para conduzir a sua jornada de compra onde, quando e como quer”, refere Pedro Miguel Silva, que acrescenta que, “perante a ameaça de disrupção, os retalhistas têm vindo a abraçar o omnicanal (físico e digital) como o padrão do processo de compra, dando aos consumidores mais informação, conveniência e variedade nos canais e momentos de contacto da sua escolha”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins e Sonae sobem no ranking global do retalho da Deloitte

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião