Governo argentino discute com TAP ligação direta entre Lisboa e Buenos Aires

  • Lusa
  • 15 Janeiro 2018

“Não há ligação direta e esperamos vir a tê-la. A Argentina está a regular o seu mercado comercial [no setor aéreo] e está à procura de ligações com o mundo inteiro", disse o ministro do Turismo.

O ministro do Turismo da Argentina, Gustavo Santos, vai reunir-se esta segunda-feira com a administração da transportadora aérea portuguesa TAP, em Lisboa, para iniciar um “diálogo aberto e construtivo” sobre uma futura ligação direta a Buenos Aires.

“Acredito que o mercado de fluxos turísticos entre Portugal e a Argentina está numa etapa emergente, que pode crescer muito mais, e estou convencido que somos dois países com um desenvolvimento turístico importante e que podemos apoiar-nos mutuamente”, disse hoje o governante em declarações à agência Lusa.

Acredito que o mercado de fluxos turísticos entre Portugal e a Argentina está numa etapa emergente, que pode crescer muito mais, e estou convencido que somos dois países com um desenvolvimento turístico importante e que podemos apoiar-nos mutuamente.

Gustavo Santos

Ministro argentino do Turismo

Para isso, é necessário ultrapassar um “obstáculo”, de acordo com Gustavo Santos, já que os voos entre Buenos Aires – capital da Argentina -, e Lisboa, obrigam a escalas em cidades como Madrid (Espanha) ou São Paulo (Brasil).

Não há ligação direta e esperamos vir a tê-la. A Argentina está a regular o seu mercado comercial [no setor aéreo] e está à procura de ligações com o mundo inteiro, pelo que a conexão com Portugal seria, seguramente, muito proveitosa”, acrescentou o ministro do Turismo da Argentina, justificando assim a reunião desta tarde com a administração da TAP.

Gustavo Santos escusou-se, contudo, a apontar datas, argumentando que a decisão caberá à transportadora aérea.

“Hoje vamos conversar dos potenciais desta rota, da vontade do governo argentino de articulá-la e de promovê-la. Vamos falar, seguramente, de tudo o que possamos fazer juntos e, a partir daí, deverá haver uma decisão da empresa”, indicou. O governante ressalvou que esta não é “uma ligação de carro feita através de uma concessionária”, mas “muito mais complexa”. “O importante é que comecemos a ter um diálogo aberto, construtivo, e o que quero manifestar aqui hoje em Lisboa é a vontade do governo argentino de ser sócio de Portugal, de aprofundar uma sociedade e o afeto com este grande país”, acrescentou Gustavo Santos.

Além do encontro com os dirigentes da TAP, o governante argentino vai reunir-se com a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, com vista a uma promoção turística mútua e à consolidação das relações bilaterais. O responsável admitiu que, atualmente, “não existem muitos” portugueses a visitar a Argentina, representando uma média de 15 mil turistas por ano. Ainda assim, mostrou-se “convencido que este valor se possa multiplicar rapidamente”, por dois ou por três, com uma futura rota direta. “O turista argentino é um turista que viaja muito e os portugueses também teriam possibilidade de conhecer um país tão diverso como a Argentina, um verdadeiro continente em si mesmo, com quatro climas, com distintas naturezas e culturas”, destacou.

Além deste intercâmbio de turistas, o objetivo é que a ligação aérea direta permita a ambos os países apostar em outros mercados, como o chinês, que é hoje o principal emissor mundial de visitantes.

Por seu lado, o embaixador da Argentina em Portugal, Oscar Armando Moscariello, notou que a ligação aérea direta “não depende nem dos portugueses nem dos argentinos, depende da empresa [a TAP]”.

Além desta rota, o responsável falou em outras ações em curso para promover a Argentina como destino, como o contacto com agências de viagens. “Essa oferta já existe, mas julgo que a inexistência de uma rota direta tem impedido uma aposta maior”, observou Oscar Armando Moscariello, adiantando que “ter um ‘hub’ [centro de operações] aqui em Lisboa ou no Porto seria importante para incentivar este intercâmbio”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo argentino discute com TAP ligação direta entre Lisboa e Buenos Aires

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião