Turismo: número de hóspedes sobe em novembro, mas proveitos desaceleram

  • Margarida Peixoto
  • 15 Janeiro 2018

A atividade turística continuou a bom ritmo no final do ano passado. Os dados do INE mostram o número de hóspedes e as dormidas a acelerar, mas os proveitos das empresas abrandaram o crescimento.

Cada vez mais hóspedes: os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que o número de hóspedes, bem como o número de dormidas, registados pela hotelaria em Portugal continuou a acelerar em novembro. Contudo, os números dão conta de estadas mais curtas e mostram algum abrandamento no crescimento dos proveitos das empresas.

Segundo o INE, o número de hóspedes cresceu 10,2% face ao período homólogo e o número de dormidas registou um aumento de 8,8%. Ambos os valores representam uma aceleração do ritmo de crescimento face a outubro. Ainda assim, a estada-média registou uma quebra de 1,3% e o crescimento dos proveitos totais foi menos pronunciado, embora ainda elevado: 15,5%. Também os proveitos apenas de aposento aumentaram de forma expressiva (17,4%), mas menos do que em outubro.

Olhando para os dados de janeiro a novembro, verifica-se que 2017 foi um ano muito positivo quando comparado com 2016. Os resultados preliminares do INE apontam para um aumento de 8,7% no número de hóspedes, de 7,2% nas dormidas e um aumento de 16,5% dos proveitos totais.

No final de novembro, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, já tinha classificado o aumento das receitas do turismo esperado para 2017 como “o maior crescimento do século”. Agora, os dados de novembro mostram que o panorama continua bastante positivo, apesar da subida não ser sempre a acelerar.

Estadas médias mais curtas: menos de três noites

Segundo os dados do INE, face ao ano passado as estadas-médias estão a ficar mais curtas. No período de janeiro a novembro registou-se uma quebra de 1,4%, sendo o período médio de permanência de 2,81 noites.

Tanto em outubro, como em novembro o número de noites também diminuiu, tendo em novembro ficado nos 2,53. Segundo o boletim do INE, esta redução foi mais expressiva nos Açores e na Madeira (no Centro e no Alentejo até aumentou) e justificou-se exclusivamente pelos hóspedes não residentes — “no caso dos residentes houve um aumento de 3,5% neste indicador”, lê-se no boletim.

Ainda assim, a taxa de ocupação-cama subiu, em termos líquidos, para 53,3% na média dos 11 meses e para 37,1% só no mês de novembro.

Mais turistas brasileiros, norte-americanos e polacos

O número de turistas brasileiros, norte-americanos e polacos registou um crescimento expressivo, com subidas de 37,4%, 33,6% e 29,6%, respetivamente. Ao mesmo tempo, os turistas do Reino Unido — que são a maior fatia dos hóspedes estrangeiros — continuam a diminuir: a queda foi de 7,7%.

Mesmo assim, o Reino Unido continua a manter a liderança no peso dos hóspedes estrangeiros, representando 16% do total. De seguida estão os espanhóis (13%) seguidos pelos alemães (10%) que continuam a aumentar.

 

(Notícia atualizada)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo: número de hóspedes sobe em novembro, mas proveitos desaceleram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião