Turismo mundial cresceu 6% em 2017 impulsionado por turistas chineses

  • Lusa
  • 10 Janeiro 2018

Evolução da China como mercado emissor de turistas puxou pelo turismo mundial, que cresceu no ano passado 6%. A indústria turística representa agora 10% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial.

O turismo mundial cresceu 6% em 2017, na comparação com o ano anterior, informou, esta quarta-feira, o novo secretário-geral da Organização Mundial de Turismo (OMT), Zurab Pololikashvili, impulsionado sobretudo por turistas chineses.

Citado pela agência noticiosa EFE, o dirigente destacou a rápida evolução de China como mercado emissor de turistas, impulsionando o grande incremento no turismo mundial. A subida de 6% já tinha sido avançada pelo dirigente da OMT até 31 de dezembro de 2017, Taleb Rifai, quando a organização reviu em alta as suas previsões para o conjunto do ano.

Depois de uma evolução de 7% até agosto, a organização tinha inicialmente apontado para uma subida final entre 4,5% e 5%. Mas acabou por ser revista a projeção devido à forte aceleração do turismo até outubro, face sobretudo aos resultados dos destinos da Europa meridional e mediterrânea, Norte de África e Médio Oriente.

Para 2018, Pololikashvili antecipou um incremento entre 3% a 4% nas chegadas internacionais, em linha com estimativas da organização até 2030, numa intervenção no Foro España Internacional, em Madrid.

A indústria turística representa 10% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, terceiro setor exportador no mundo e que emprega 1 em cada 10 pessoas, de forma indireta ou indireta, acrescentou o secretário-geral, que sublinhou que o setor deve beneficiar todos.

O crescimento sustentável do turismo possibilita oportunidades de bem-estar económico e de desenvolvimento, mas também numerosos desafios relacionados com segurança, alterações nos mercados, digitalização e limites dos recursos naturais, refere.

Com mandato até 2021, Pololikashvili quer um reforço das alianças entre os setores público e privado, o fomento do emprego de qualidade e das oportunidades para todos, o domínio da tecnologia e da inovação e a promoção da sustentabilidade e da luta contra as alterações climáticas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo mundial cresceu 6% em 2017 impulsionado por turistas chineses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião