Manuel Caldeira Cabral vai estar em Davos com… will.i.am

O ministro da Economia português vai estar num painel com o cantor e empreendedor norte-americano, will.i.am. Já o primeiro-ministro vai partilhar o palco com líderes europeus sobre o futuro da UE.

William James Adams Junior — ou will.i.am — é um rapper norte-americano mais conhecido por ter integrado a banda Black Eyed Peas. Mais recentemente, o artista tem sido notícia no mundo do empreendedorismo por fundar uma startup tecnológica. Na próxima terça-feira, will.i.am vai partilhar o palco com Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia português, numa sessão sobre educação em Davos, um encontro promovido pelo Fórum Económico Mundial.

As tendências do mercado apontam para um previsão: no futuro, o talento relacionado com ciência, tecnologia, engenharia e matemática irá ditar a criação de emprego no futuro. Segundo a descrição da sessão, até 2020 deverão ser criados dois milhões de postos de trabalho nessas áreas. O que pode ser feito para que a procura por pessoas qualificadas nestes ramos tenha a oferta correspondente?

É a esta resposta que Manuel Caldeira Cabral, will.i.am, Suzanne Fortier (diretora da Universidade de McGill, Canadá), Steve Rusckowski (CEO da Quest Diagnostics) e Robert Zimmer (presidente da Universidade de Chicago) vão responder no dia 23 de janeiro na Suiça no encontro de Davos. A sessão, que é promovida pelo CERN (Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear), conta com a diretor geral da estrutura, Fabiola Gianoti. A moderação caberá a Lynda Gratton, professor de gestão na London Bussiness School.

Primeiro-ministro debate a Europa com outros líderes europeus

O destaque em português não vai só para Manuel Caldeira Cabral. António Costa estará ao lado de Cecilia Malmström, comissária europeia do comércio, e Leo Varadkar, primeiro-ministro irlandês, para discutir o futuro do projeto europeu. A sessão será moderada por Peter Limbourg, o diretor-geral da Deutsche Welle, e acontece a 25 de janeiro.

Além do primeiro-ministro, vão estar em Davos vários nomes nacionais como é o exemplo de Carlos Moedas, o comissário europeu para a inovação, que vai intervir em três painéis na Suíça ao longo dos três dias deste encontro mundial. O português vai falar sobre a internet of things, o investimento europeu na inovação e no empreendedorismo tecnológico e sobre a investigação científica.

Além de Moedas, também António Guterres, atual secretário-geral das Nações Unidas, vai fazer um discurso em Davos. Segundo a lista de convidados, Mário Centeno também estará presente já enquanto presidente do Eurogrupo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Manuel Caldeira Cabral vai estar em Davos com… will.i.am

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião