Uma espécie de Davos nos Himalaias? A Índia quer

É uma ideia de um ministro indiano fascinado com Davos, mas pode tornar-se realidade num futuro breve dada a emergência económica da Índia e dos países que a rodeiam.

A cordilheira dos Himalaias, partilhada entre países como a Índia, a China e o Nepal, pode ser a casa da versão indiana de Davos. Uma nova cidade pode nascer para servir de cenário a um encontro dos líderes orientais, tal como acontece com a cidade de Davos na Suíça. A ideia foi dada pelo ministro dos Transportes Rodoviários, Nitin Gadkari, que esteve este ano no encontro do Fórum Económico Mundial.

Depois de eu vir cá, passou-me pela cabeça um pensamento. Estou, neste momento, a começar a trabalhá-lo. Estamos a trabalhar em novas estradas de 1.000 km em Badrinath, Kedarnath, Gangotri e Yamunotri. Isso será certamente um algo histórico com túneis”, começou por dizer, revelando que vai levar muitas ideias de Davos para a Índia. Uma delas será a construção de uma nova localidade nos Himalaias, com temperaturas semelhantes a Davos, para simular o ambiente ali vivido.

“Somos capazes de construir o Taj Mahal no deserto. É preciso ter visão, um processo de decisão rápido, transparência e um sistema livre de corrupção. É importante o compromisso com a sociedade e o país, e o meu país também precisa de algo assim”, cita o Economic Times, referindo-se a Davos. É isso que a Índia tem vindo a fazer com a “lavagem de dinheiro” terminada no final do ano passado.

Uma cidade como Davos na Índia daria uma grande promoção a turismo, ao desenvolvimento, ao emprego e ao todo da economia, enquanto o número de pessoas a viajar para os locais sagrados nessa região iria também crescer.

Nitin Gadkari

Ministro dos Transportes Rodoviários

Descrito pela imprensa indiana como um ministro com ideias “fora da caixa”, Nitin Gadkari valorizou a sustentabilidade do ambiente, defendendo que é necessário balancear a necessidade de construção e desenvolvimento com os objetivos ambientais. Por isso, acredita que é preciso uma “estratégia integrada” entre os vários ministérios do Governo indiano para fazer nascer uma aldeia nos Himalaias para receber um encontro ao estilo daquele que o Fórum Económico Mundial organiza.

“Há tantos hotéis que tiveram de ser construídos aqui em Davos. Também tiveram de cortar árvores algures. O que pode ser feito é que por cada três [árvores cortadas] se plante dez novas”, ou seja, mudando de sítio as árvores e assegurar a sua proliferação, defendeu Gadkari. “Uma cidade como Davos na Índia daria uma grande promoção a turismo, ao desenvolvimento, ao emprego e ao todo da economia, enquanto o número de pessoas a viajar para os locais sagrados nessa região iria também crescer“, garantiu Nitin Gadkari.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma espécie de Davos nos Himalaias? A Índia quer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião