Ana Trigo de Morais sai da APED para a Sociedade Ponto Verde

A ocupar o cargo de diretora-geral da APED, Ana Trigo de Morais está de saída para a Sociedade Ponto Verde, onde vai ocupar o cargo de CEO.

Ana Trigo Morais está de saída da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), onde ocupava o cargo de diretora-geral, para se tornar CEO da Sociedade Ponto Verde, apurou o ECO.

A nova CEO vem substituir o atual diretor-geral, Luís Veiga Martins, cujos motivos de saída ainda não são conhecidos. Contactada, a APED não quis fazer qualquer comentário. Ana Isabel Trigo Morais entrou para a APED em 2010, como diretora-geral, altura em que esta atravessava uma crise financeira.

Foi sob a alçada de Ana Isabel Trigo Morais que a APED lançou campanhas como “Procuram-se equipamentos em fim de vida, recompensa – a reciclagem merecida”, em 2013, ou reciclagem de óleos alimentares usados. “Pretendemos que os consumidores, em vez de terem coisas lá em casa que lhes ocupam espaço e os incomodam no dia-a-dia, encaminhem esses equipamentos que já não têm vida, já não servem para nada, para reciclagem”, explicou a responsável à Lusa, nessa altura. Segundo Ana Isabel Trigo Morais estes gestos “podem ajudar o ambiente e contribuir para a sustentabilidade do nosso planeta”.

Recorde-se que em 2014, Ana Isabel Trigo Morais era contra a introdução de uma taxa para a utilização de sacos plásticos. No final, defendia, “quem paga este tipo de iniciativas fiscais é o consumidor”. “Este não é o caminho mais adequado. Defendemos liberdade a cada um dos operadores para desenvolverem as suas campanhas e políticas”, disse em declarações citadas pelo Público.

Licenciada em Direito e com uma vasta experiência na área da gestão, Ana Trigo Morais esteve também no Centro Cultural de Belém, durante seis anos como membro do conselho de administração e passou ainda pelo Teatro Nacional de São Carlos e pelo Teatro Nacional de São João.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ana Trigo de Morais sai da APED para a Sociedade Ponto Verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião