Macron e Merkel reiteram intenção de “dar novo impulso à Europa”

  • Lusa e ECO
  • 21 Janeiro 2018

Macron e Merkel comprometem-se a aprofundar a integração económica dos dois países, a fomentar as relações das sociedades civis e a promover a cooperação.

O presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, reiteraram este domingo a intenção de assinar um novo Tratado do Eliseu com o objetivo de dar “um novo impulso” à Europa.

“Desejamos uma Europa mais unida, mais eficaz, mais protetora e mais democrática, que se afirme no mundo e que defenda os seus valores”, disse Macron, num vídeo divulgado por ambos os governos, acompanhado por uma declaração assinada pelos dois líderes no dia em que se assinalam 55 anos do acordo de amizade assinado entre os dois países, segundo a agência de notícias espanhola EFE.

Na mensagem comum, Macron e Merkel comprometem-se a aprofundar a integração económica dos dois países, a fomentar as relações das sociedades civis e a promover a cooperação em matéria de política externa, defesa, segurança e desenvolvimento, além de reiterarem o compromisso com o Acordo de Paris relativo às alterações climáticas.

Macron e Merkel apostam ainda em trabalharem em conjunto contra o terrorismo internacional, a fortalecerem a colaboração dos seus serviços policiais e de inteligência, a defenderem uma política de desenvolvimento para a África e a procurarem “respostas europeias ao desafio da imigração descontrolada”, respeitando o direito de asilo.

No vídeo, gravado na mesma sala do Eliseu onde, há 55 anos, o presidente francês Charles de Gaulle e o chanceler alemão Konrad Adenauer assinaram o tratado de amizade franco-alemão, ambos destacaram a amizade entre os dois países, comprometendo-se a reforçá-la.

Merkel lembra o valor de De Gaulle e de Adenauer ao apostar na reconciliação após o “horror” da Segunda Guerra Mundial que, como com o Tratado do Eliseu, colocou cidadãos franceses e alemães no caminho de um futuro conjunto.

Segundo a chanceler alemã, “o mundo muda rapidamente, económica e tecnologicamente, e surgem novas incertezas”, como as alterações climáticas, que representam desafios comuns.

“Juntos enfrentaremos esses desafios, com a intensidade do diálogo das nossas nações, dando juntos à Europa um novo impulso”, afirmou Macron.

Como “amigos no coração da Europa e no âmbito do espírito europeu”, Merkel acrescentou que, Berlim e Paris irão fechar este ano um novo Tratado do Eliseu, com novos objetivos e formas de cooperação para aproximar os dois países.

“Fazemos isso para unir ainda mais os cidadãos dos nossos países e para dar um novo impulso a toda a Europa unida, para torná-la ainda mais forte”, enfatizou a chanceler.

Macron apelou aos jovens de ambos os países para “descobrirem” os vizinhos, serem curiosos e participarem da consulta pública, que será lançada na primavera. O Presidente francês referia-se ao projeto, lançado por si próprio em setembro e cujo método o Presidente do Conselho Europeu terá ficado de definir esta primavera, de pôr os cidadãos da UE a debater uma refundação da união.

O vídeo termina com um: “Viva a amizade franco-alemã”, dito em alemão por Macron e em francês por Merkel.

Os dois líderes reuniram-se na sexta-feira, em Paris, onde concordaram que as reformas profundas de que a Europa precisa e que ambos querem levar a cabo, dependem, no curto prazo, dos social-democratas alemães (SPD), que decidem hoje em congresso extraordinário se negoceiam uma nova grande coligação liderada pela política conservadora.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Macron e Merkel reiteram intenção de “dar novo impulso à Europa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião