Inquérito: O ECO perguntou se Manuel Vicente deve ser julgado em Portugal. E a resposta foi…

  • Rita Frade
  • 23 Janeiro 2018

O julgamento da Operação Fizz iniciou-se esta segunda-feira. A propósito do tema, o ECO decidiu lançar a pergunta aos seus leitores: Manuel Vicente deve ser julgado em Portugal? Saiba a resposta.

O julgamento da Operação Fizz, que tem como arguidos o ex-vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente, o ex-procurador do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) Orlando Figueira, o advogado Paulo Blanco e o empresário Armindo Pires arrancou esta segunda-feira, no tribunal da comarca de Lisboa.

Em causa está um alegado suborno de 760 mil euros a Orlando Figueira, que envolve Manuel Vicente, Paulo Blanco e Armindo Pires, que são, assim, “acusados de, em conjugação de esforços, terem pago ao magistrado, que, na altura, trabalhava no DCIAP, cerca de 760.000 euros e outras vantagens, designadamente, colocação profissional numa instituição bancária“.

Em troca, o ex-procurador do DCIAP “proferiu, em dois inquéritos, despachos que favoreceram” Manuel Vicente. “Estes dois processos vieram a ser arquivados pelo referido magistrado”, de acordo com o Ministério Público.

Manuel Vicente, que não compareceu esta segunda-feira no julgamento (devido à imunidade concedida por Angola), está a ser acusado por corrupção ativa, em coautoria com os arguidos Paulo Blanco e Armindo Pires, branqueamento de capitais, em coautoria com Paulo Blanco, Armindo Pires e Orlando Figueira, e falsificação de documento com os mesmos arguidos.

A propósito deste tema, o ECO decidiu lançar uma pergunta nas redes sociais (Facebook e Twitter) para saber, na opinião dos seus leitores, se Manuel Vicente deve ou não ser julgado em Portugal, ou se o processo deveria autonomizado e enviado para Angola?

Terminado o inquérito, é possível concluir que a maioria é a favor de que o ex-vice-Presidente de Angola seja julgado em Portugal. No Facebook, o “Sim” ganhou com 72% dos votos e no Twitter com 71%. Já o “Não” obteve 28% dos votos no Facebook e 29% no Twitter.

(notícia atualizada às 11h07 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inquérito: O ECO perguntou se Manuel Vicente deve ser julgado em Portugal. E a resposta foi…

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião