Netflix ultrapassa, pela primeira vez, os 100 mil milhões de dólares de capitalização bolsista

  • ECO
  • 23 Janeiro 2018

Netflix fechou quarto trimestre de 2017 com 8,34 milhões de novos subscritores, superando a expectativa de Wall Street em dois milhões de clientes. Resultado: capitalização do serviço atingiu recorde.

Depois de ter fechado 2017 com chave de ouro, a Netflix acaba de dar mais um passo na direção do domínio da indústria televisão, em todo o mundo. No último trimestre do ano passado, o serviço de streaming superou as expectativas dos investidores, arrecadando mais dois milhões de subscritores do que o previsto e triplicando os seus lucros. Na sessão da bolsa de Wall Street, desta segunda-feira, esses resultados fizeram os títulos da gigante do entretenimento valorizar 9% para 248 dólares. A Netflix atingiu, assim, pela primeira, uma capitalização de mercado de 100 mil milhões de dólares (pouco menos de 81,7 mil milhões de euros).

De outubro a dezembro de 2017, o serviço ganhou 6,36 milhões de subscritores nos 190 mercados internacionais em que opera, ultrapassando largamente a previsão de 5,1 milhões de novos subscritores avançada por Wall Street. Com a conquista de 1,98 mil milhões de subscritores nos Estados Unidos, a Netflix fechou o ano com um total de 117,58 milhões de subscritores. O lançamento das novas temporadas das séries consagradas “Stranger Things” e “The Crown”, bem como do filme de ação “Bright” terão justificado essa expansão, avança a Reuters.

“A Netflix está a investir mais e mais dinheiro na produção de conteúdo e isso traduz-se diretamente no aumento do número de subscritores”, explica Richard Greenfield, analista da BTIG. “[O serviço] viu uma grande oportunidade e está a mover-se o mais rápido que consegue no ataque”, sublinha.

Netflix planeia investir na criação de conteúdos próprios para se distanciar dos seus concorrentes.Matthew Keys/Flickr

Manter os concorrentes à distância

Este ano, a Netflix pretende gastar quase oito mil milhões de dólares (6,5 mil milhões de euros) na criação de programas de televisão e filmes próprios, para se distanciar dos seus concorrentes: a Hulu, a Amazon e, em breve, a Disney. De facto, a gigante do entretenimento infantil planeia retirar os seus conteúdos da Netflix, no próximo ano, e investir numa plataforma de streaming própria.

“Acreditamos que os nossos grandes investimentos em conteúdos estão a dar resultados”, anunciou a Netflix, numa carta enviada aos acionistas. Em 2017, este serviço arrecadou pela primeira vez lucros durante todo o ano, nos mercados internacionais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Netflix ultrapassa, pela primeira vez, os 100 mil milhões de dólares de capitalização bolsista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião