Progressão de professores arranca em fevereiro

Continua a não ser conhecido o número de vagas que serão abertas para o acesso à progressão. Esse número será definido, a cada ano, pelo Governo.

Já foram publicadas as regras de acesso ao 5º e 7º escalões da carreira de docentes. Os educadores de infância e professores dos ensinos básico e secundário que reúnam as condições já poderão, assim, candidatar-se a uma progressão da carreira, ainda que no diploma agora publicado continue por esclarecer quantas vagas de acesso a estes escalões serão abertas. O procedimento de acesso às vagas de progressão vai decorrer em janeiro de cada ano; o procedimento relativo a este ano vai arrancar em fevereiro, de acordo com as regras publicadas, esta terça-feira, em Diário da República.

As negociações entre o Governo e os sindicatos que representam os professores terminaram, no início deste mês, sem um acordo relativo à progressão nas carreiras e ao regime de concursos. Nos encontros com os professores, ficou definido que será o Ministério da Educação a definir, em cada ano, o número de docentes, daqueles que cumprem os critérios necessários, que vão poder subir ao 5º e 7º escalões da carreira. Esta solução não agradou aos sindicatos, que temem que haja “discricionariedades” por parte do Governo.

Será, contudo, exatamente assim que irá funcionar o acesso às progressões. “O número de vagas para a progressão ao 5º e 7º escalões é estabelecido por total nacional por cada um dos escalões, e fixado anualmente por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da educação”, pode ler-se na portaria publicada em Diário da República.

Segundo os últimos dados do Governo, há 14 mil professores no 4.º escalão à espera de transitar e outros oito mil no 6º escalão. Também de acordo com o Ministério da Educação, só cerca de mil docentes têm o tempo de serviço necessário para progredir na carreira. Contudo, acusam os sindicatos, esta contabilização apenas tem em consideração o tempo de serviço dos docentes, deixando de fora a avaliação qualitativa obtida pelos professores, que também conta para a progressão.

A portaria agora publicada define também como serão escolhidos os professores que progridem. “Os docentes posicionados no 4.º e 6.º escalões a quem tenha sido atribuída a menção qualitativa de Bom na respetiva avaliação do desempenho e que já tenham cumprido os restantes requisitos previstos nos n.os 2 e 3 do artigo 37.º do [Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário], integram uma lista anual de graduação, de caráter nacional, ordenada por cada um daqueles escalões e por ordem decrescente, sendo a respetiva posição na lista definida de acordo com o tempo de serviço contabilizado em dias prestado pelo docente no escalão”.

Em situações de empate, o primeiro fator de desempate será “a avaliação de desempenho imediatamente anterior à progressão, apurada quantitativamente até às milésimas”. O segundo fator de desempate, “caso a igualdade subsista, será a idade do docente, preferindo o mais velho”.

Quanto aos docentes que não conseguirem obter vaga, “beneficiam, para efeitos de progressão, da adição do fator de compensação 365 ao tempo de serviço em dias prestado no escalão por cada ano suplementar de permanência nesse mesmo escalão”.

O procedimento relativo ao preenchimento das vagas irá iniciar-se em janeiro de cada ano, “com a inclusão na lista de graduação desse ano dos docentes que, no ano civil anterior, tenham completado o requisito de tempo de serviço nos escalões para efeitos de progressão, e reunido os demais requisitos previstos nos números 2 e 3 do artigo 37.º do ECD, bem como dos docentes que tenham estado integrados em listas de anos anteriores e não tenham obtido vaga”.

Esta é uma das normas criticadas pelos professores. No final das negociações com o Governo, este mês, o Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) referiu, em comunicado, que “os professores são ainda mais penalizados uma vez que as progressões apenas têm efeito a partir do mês de janeiro do ano civil seguinte ao terem cumprido os requisitos, o que implica que um docente que atinja em fevereiro o tempo de serviço necessário para progredir na carreira, terá de esperar até janeiro do ano seguinte para que a progressão se verifique efetivamente, perdendo 11 meses de tempo de serviço”.

Relativamente a este ano, o procedimento para o preenchimento das vagas de acesso ao 5º e 7º escalão vai iniciar-se em fevereiro, conclui a portaria.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Progressão de professores arranca em fevereiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião