Empresários vão investir mais em 2018. Mas perspetivas de vendas pioram

O investimento empresarial deverá continuar a aumentar em 2018. Mas com a economia a abrandar, o investimento também vai desacelerar. O principal fator negativo tem a ver com as perspetivas de vendas.

O investimento empresarial deverá ter aumentado 5,5% em 2017. Em 2018, os empresários querem continuar a investir, mas preveem uma desaceleração para 3,7% num ano em que o próprio Governo estima um abrandamento da economia. Serão as empresas com mais de 500 postos de trabalho a investir mais este ano, mas as perspetivas de vendas dos empresários estão em queda.

Estes dados constam do inquérito de conjuntura ao investimento cujos resultados foram divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística. Em 2017, foram as indústrias transformadoras e as atividades administrativas a puxar pelo investimento empresarial. Já este ano prevê-se que as atividades financeiras e de seguros tenham o maior contributo.

Em 2018 as empresas vão investir principalmente em equipamentos e, em menor grau, em construções. “Relativamente às expectativas de criação de emprego resultante do investimento realizado ou a realizar, a maioria das secções apresentou saldos de respostas extremas positivos”, assinala o INE, referindo que o comércio por grosso e a retalho, a reparação de veículos, as atividades de informação e de comunicação e as indústria extrativas são as que mais deverão contratar.

Fonte: INE

E com que dinheiro é que as empresas vão investir? A maior parte (mais de 60%) vai recorrer ao autofinanciamento. Mas o peso do financiamento próprio vai descer em 2018. “É de assinalar o aumento observado entre 2017 e 2018 no recurso a empréstimos do Estado (0,6 p.p.) e a fundos provenientes da União Europeia (0,4 p.p.)”, lê-se no destaque do INE. O crédito bancário é a segunda principal fonte de financiamento (peso de 20%).

O número de empresas que tem limitações ao investimento continua praticamente inalterado. No entanto, o principal fator limitativo ao investimento vai aumentar o seu peso. Em causa está o aumento da deterioração das perspetivas de vendas para este ano. Além disso, é a incerteza à volta da rentabilidade dos investimentos e da capacidade de autofinanciamento que mais constringe as empresas.

Contudo, é preciso realçar que a percentagem de empresas que refere a realização de investimentos ou a intenção de investir está em queda: 88,5% em 2016, 80,2% em 2017 e 77,2% em 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresários vão investir mais em 2018. Mas perspetivas de vendas pioram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião