“Cumprimos”, diz Centeno. “Temos mais 288 mil empregos que em 2015”

  • Margarida Peixoto
  • 31 Janeiro 2018

Na semana em que a PGR fez buscas no Ministério das Finanças, Mário Centeno, foi ao Parlamento com os números sobre o mercado de trabalho e o investimento bem preparados.

“Cumprimos”, disse Mário Centeno, no arranque da sua audição na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, esta quarta-feira, na Assembleia da República. O ministro, que chegou ao Parlamento numa semana em que a Procuradoria-Geral da República confirmou que fez buscas nas Finanças, trazia os números estudados e os dossiês preparados para focar a discussão nos progressos da economia.

“Temos mais 288 mil empregos do que em dezembro de 2015”, frisou Mário Centeno. É o “maior crescimento do emprego desde que há registo mensal do Instituto Nacional de Estatística,” somou. “Temos menos 225 mil desempregados do que no início da legislatura”, continuou, para depois rematar: “Revertemos a maior doença gerada pela forma como o ajustamento foi feito em Portugal.”

Da saúde do mercado de trabalho, que permitiu “devolver rendimentos” e “reforçar a credibilidade” não só junto dos investidores ou dos parceiros europeus, mas também “junto dos concidadãos”, Centeno passou para o tema do investimento.

“O investimento cresce acima de 10%”, afirmou o ministro das Finanças, sublinhando que no terceiro trimestre todas as componentes registam aumentos: “nas máquinas e equipamentos cresce 15%, na construção 9%, nos materiais de transporte 14%”. Centeno lembrou o investimento na Caixa Geral de Depósitos, no Serviço Nacional de Saúde — onde as despesas com pessoal cresceram não só à boleia da devolução de rendimentos mas também do aumento do número de médicos e enfermeiros e ainda a subida de 20% do investimento público, um valor que fica “acima do verificado em 2014 e 2015”.

No final, fechou com o tema das cativações, que gerou polémica em 2017, revelando o valor final dos cativos: 560 milhões de euros. Para 2018, disse o ministro, o Orçamento conta com cativos na ordem dos 1.086 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Cumprimos”, diz Centeno. “Temos mais 288 mil empregos que em 2015”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião