Empresa de doces de Coimbra já é dona de 2% do capital do Benfica

A Quinta de Jugais passou a deter 2,004% do capital do Benfica, informou a SAD benfiquista ao mercado.

O Benfica passou a ter um novo acionista qualificado — a Quinta de Jugais, uma empresa de doces da zona de Coimbra. Num comunicado enviado ao mercado, a SAD do Benfica informou que esta empresa de produtos alimentares passou a deter uma participação qualificada de 2,004% dos direitos de voto.

A Quinta de Jugais “adquiriu 1.300 ações ordinárias, nominativas e escriturais, com o valor nominal de cinco euros, no dia vinte e três de janeiro de 2018, em mercado regulamentado, e que passou a deter uma participação qualificada de 2,004% dos direitos de voto na sociedade aberta Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD, correspondente à detenção de 460.926 ações”, avança o comunicado publicado esta quinta-feira na CMVM.

De acordo com o mesmo comunicado, estes direitos de voto “são imputáveis à Quinta de Jugais, Lda., sendo que o capital social desta sociedade é detido em 50% por António Manuel Alves Martins e em 50% por Pedro Luís Alves Martins”.

A Quinta de Jugais, que além de doces também comercializa cabazes de Natal, tem sede na zona industrial de Oliveira do Hospital e conta com um capital social de um milhão de euros. Segundo o Diário de Coimbra, esta empresa tinha 26 trabalhadores em 2016, e registou no ano anterior um volume de negócios na casa dos 21,5 milhões de euros.

De acordo com o relatório do governo de sociedade publicado em outubro do ano passado, a SAD tem 66,93% do capital, José António dos Santos tem 12,71% das ações, José da Conceição Guilherme tem 3,73% e a Olivedesportos 2,66%. O remanescente do capital está disperso no mercado. Agora, entre os acionistas com uma posição qualificada passa a estar também a Quinta dos Jugais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa de doces de Coimbra já é dona de 2% do capital do Benfica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião