Ministério Público arquiva inquérito que envolvia Centeno e os bilhetes para o Benfica

Foi arquivado o processo que envolvia o ministro Mário Centeno e alegados benefícios em troca de bilhetes para ver o Benfica na tribuna presidencial. Ministério Público concluiu que não houve crime.

O Ministério Público (MP) decidiu arquivar o processo que envolvia Mário Centeno e o alegado recebimento indevido de vantagem após os bilhetes que o ministro das Finanças pediu para ir ver um jogo do Benfica na tribuna presidencial. Segundo o Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa (DIAP), a decisão foi tomada “por inexistência de crime”.

Num comunicado enviado às redações, o MP assume que “ordenou a instauração do processo-crime na sequência da publicação nos órgãos de comunicação social de notícias sobre a solicitação de bilhetes para assistência a jogo de futebol (…) em tribuna presidencial”. As notícias, recorda a mesma nota, apontavam que “no mesmo período temporal, veio a ser concedida uma isenção de IMI a um familiar do presidente do clube que tinha oferecido os bilhetes ao Ministro das Finanças”.

A nota, enviada esta quinta-feira à tarde, diz ainda: “Realizado o inquérito, recolhida prova documental e pessoal necessária ao apuramento dos factos, o MP concluiu pela não verificação do crime de obtenção de vantagem indevida ou qualquer outro, uma vez que as circunstâncias concretas eram suscetíveis de configurar adequação social e política própria de previsão legal”.

No início do ano, o jornal Observador avançou que o ministro das Finanças, Mário Centeno, pediu para ver uma partida entre o Benfica e o Porto na época passada, a 1 de abril de 2017, na tribuna presidencial. Em causa, dois lugares, solicitados junto do clube da Luz pelo assessor diplomático do governante, André Costa Monteiro.

Poucos dias depois, o Correio da Manhã relacionava o caso com um alegado perdão fiscal aos filhos do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, que terá ocorrido na mesma altura. Terá sido esta a notícia a desencadear o inquérito por parte do MP, que agora é arquivado por “inexistência de crime”.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h14, com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público arquiva inquérito que envolvia Centeno e os bilhetes para o Benfica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião