Antes dos supermercados, Mercadona põe pé no futebol português

Ainda antes de abrir os primeiros supermercados, em Portugal, a cadeia espanhola dá uma ajuda na construção do novo estádio do Canidelo. Nas antigas instalações do clube nasce loja Mercadona.

Ainda antes de abrir os quatro supermercados em Portugal, a Mercadona, cadeia espanhola que deverá inaugurar as primeiras unidades em 2019, já tem um pé em Portugal, mais precisamente num estádio de futebol.

O novo estádio do Canidelo, em Vila Nova de Gaia, inaugurado esta quinta-feira, resulta da colaboração entre a cadeia espanhola, a Câmara Municipal de Gaia e a Junta de Freguesia do Canidelo. A empresa, adianta em comunicado que ” viu a oportunidade de conjugar a construção de um dos supermercados no Grande Porto com a vontade de implementar a sua política de responsabilidade social e empresarial (RSE) em Portugal”.

A boa vontade da Mercadona explica-se pelo facto do supermercado da cadeia espanhola ficar situado nas antigas instalações do Sport Clube de Canidelo, com abertura prevista para 2019. Esta loja da Mercadona, insere-se na política de modelo de loja eficiente que a empresa está a desenvolver de forma a melhorar a experiência total da compra dos clientes e a reduzir o impacto que a atividade da loja possa ter no meio ambiente. A nova loja terá cerca de 1.800 metros quadrados de sala de venda, áreas para os colaboradores, armazém e parque de estacionamento para clientes.

O novo estádio, que fica situado num terreno junto à antiga localização das instalações do clube, tem capacidade para cerca de 800 espetadores, três vezes mais do que o antigo campo de jogos.

A diretora de Relações Externas da Mercadona em Portugal, Elena Aldana, em comunicado, adianta que: “Este projeto está alinhado com o Modelo de Gestão da Mercadona (Modelo de Qualidade Total), no qual a Sociedade é um componente muito importante. Como tal, quando surgiu a oportunidade de colaborar na construção de algo tão nobre para a população de V. N. de Gaia, não hesitamos em unir-nos à Câmara Municipal e à Junta de Freguesia na concretização de um projeto apaixonante, um sonho para o Sport Clube de Canidelo”.

Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, adianta que: “O Estádio Manoel Marques Gomes será uma mais-valia para a freguesia, para a população e para o clube, que tem a partir de hoje um novo equipamento com melhores condições para a prática e para a formação desportivas. Uma solução arquitetónica que não esqueceu a utilização deste espaço por pessoas com mobilidade condicionada. É de realçar, ainda, o papel preponderante da Mercadona, que viu o interesse económico de Vila Nova de Gaia, contribuindo para a criação de emprego e de uma oferta comercial mais moderna e atrativa”.

O projeto da Mercadona em Portugal conta já com 120 profissionais nacionais. Para além das quatro lojas que a empresa pretende abrir em 2019, a Mercadona criou os escritórios no Porto, onde se encontra a sede da sociedade Irmãdona Supermercados, através da qual irá pagar impostos em Portugal. Paralelamente, a Mercadona criou em Matosinhos, o centro de Coinovação, com o intuito de ajudar a equipa da cadeia espanhola a definir a gama de produtos em Portugal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Antes dos supermercados, Mercadona põe pé no futebol português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião