Pbbr Associados em parceria com Techlawyers

  • ADVOCATUS
  • 2 Fevereiro 2018

A sociedade de advogados Pbbr criou uma parceria com a Techlawyers para os setores da Tecnologia, IT e indústrias da inovação e criatividade.

A Sociedade de advogados Pbbr (Pedro Pinto, Bessa Monteiro, Reis, Branco, Alexandre Jardim & Associados) criou uma parceria com a Techlawyers para os setores da Tecnologia, IT e indústrias da inovação e criatividade.

A parceria, que ficou denominada Techlawyers by pbbr, pretende desta forma garantir a comunicação entre o Direito e a Tecnologia, e foi feita a pensar numa filosofia de assessoria jurídica que privilegia o conhecimento do negócio e das necessidades operacionais do cliente para a construção de soluções jurídicas adequadas à sua dimensão, complexidade ou objetivos.

A Techlawyers by pbbr atua transversalmente no setor da Tecnologia, IT e indústrias da criatividade e inovação e oferece uma prática full-service desde o direito da tecnologia e do IT (em concreto) ao direito comercial (público e privado), societário, financeiro e ao capital de risco, passando pelo direito da propriedade intelectual e o contencioso.

Os clientes são muito diversificados e vão desde o setor tradicional, às universidades e laboratórios de pesquisa e desenvolvimento, passando por fundos e veículos de investimento, até empresas de base tecnológica de variável dimensão e diferentes estágios de maturidade (post-seed).

"O mundo da tecnologia e as suas empresas é um mercado com cada vez maior valor e com um enorme potencial de crescimento. São parte integrante da profunda evolução tecnológica da sociedade em que vivemos e, por isso, é necessário que também a advocacia se adapte a estas novas circunstâncias.”

Carina Branco

Fundadora e Senior Tech & IT Counsel da Techlawyers

A Fundadora e Senior Tech & IT Counsel da Techlawyers, Carina Branco, defende que “o mundo da tecnologia e as suas empresas é um mercado com cada vez maior valor e com um enorme potencial de crescimento”, pois estas são “parte integrante da profunda evolução tecnológica da sociedade em que vivemos”. Nesse sentido, sente que é necessário que também “a advocacia se adapte a estas novas circunstâncias”, conclui a advogada, que teve desde cedo contacto com as primeiras tecnológicas multinacionais que chegaram a Portugal no final dos anos 90.

"Queremos que as empresas nos vejam como um parceiro que, além da linguagem jurídica, perceba a linguagem tecnológica e o ecossistema em que se movem. Além disso, a Techlawyers by pbbr vai antecipar na pbbr os impactos que a tecnologia vai ter na nossa profissão. É um passo em frente, ousado, mas com o verdadeiro know-how dentro de casa.”

Pedro Pinto

Sócio fundador da pbbr Associados

Já Pedro Pinto, sócio fundador da pbbr, considera esta parceria como “um meio para abordar o mercado das IT de uma forma inovadora, em benefício dos clientes numa lógica de criação de valor, dando resposta às novas e constantes necessidades da contemporaneidade, onde a tecnologia está presente em tudo e cada vez mais é interdisciplinar, desde a área financeira à saúde”.

Assim, com este passo, a pbbr pretende prestar um serviço que vá além da assessoria jurídica tradicional: “queremos que as empresas nos vejam como um parceiro que além da linguagem jurídica perceba a linguagem tecnológica e o ecossistema em que se movem. A Techlawyers by pbbr vai também antecipar na pbbr os impactos que a tecnologia vai ter na nossa profissão. É um passo em frente, ousado, mas com o verdadeiro know-how dentro de casa”, remata o advogado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pbbr Associados em parceria com Techlawyers

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião