Porto: Plataforma da taxa turística já está disponível

É oficial, já está criada a plataforma para a cobrança da taxa turística no Porto. Taxa de dois euros começa a ser cobrada a partir de um de março a maiores de 13 anos.

Está oficialmente criada a plataforma para aplicação da taxa turística na cidade do Porto, a partir do próximo dia 1 de março. A informação consta no portal da Câmara Municipal do Porto.

Segundo aquela informação, até 28 de fevereiro, os empreendimentos turísticos e estabelecimentos de alojamento local da cidade deverão registar-se e proceder à credenciação na plataforma de modo a declarar a cobrança da referida taxa.

A Câmara do Porto, liderada por Rui Moreira tem ainda à disposição um manual de utilização e contactos na própria plataforma de modo a divulgar a informação sobre a taxa e o respetivo regulamento.

O regulamento da taxa municipal turística foi aprovado em dezembro último. A nova taxa no valor de dois euros por dormida e por pessoa, até ao máximo de sete noites, é aplicada ao hóspedes com mais de 13 anos, e é o dobro do valor cobrado em Lisboa.

Rui Moreira, tem repetido que a verba arrecadada com a taxa turística não servirá para investir no setor, devendo antes ser canalizada para “mitigar o impacto da pegada turística na cidade”.

No documento que deu luz verde à criação da taxa turística na cidade, Rui Moreira adiantava que “o sucesso do Porto enquanto destino de referência e em crescimento constante associado à população residente e à população migrante, que diariamente, acorre ao centro da cidade, implicam um aumento da pressão nos equipamentos públicos, nas infraestruturas, na via pública e no espaço urbano em geral”.

Dai, que acrescentava o autarca é fundamental “continuar a assegurar o Porto como destino de referência sustentável implicará que os turistas participem no pagamento das utilidades para si geradas pelo município, em limiares comportáveis, garantindo a equidade do valor a pagar, face ao desgaste inerente à pegada turística”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porto: Plataforma da taxa turística já está disponível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião