Efacec: Nova fábrica de mobilidade elétrica e Isabel dos Santos marcam dia de amanhã

  • ECO
  • 4 Fevereiro 2018

A empresária angolana estará pela primeira vez, em Portugal, para uma inauguração. Fábrica de mobilidade elétrica da Efacec pronta para começar a produzir.

Quando, esta segunda-feira, a Efacec inaugurar a nova unidade de mobilidade elétrica, negócio onde a empresa controlada por Isabel dos Santos está a depositar todas as fichas, os olhos vão estar concentrados na empresária angolana.

A ida de Isabel dos Santos à Maia, para a inauguração da fábrica, está a ser preparada ao pormenor e reveste-se de especial importância, na medida em que as aparições da empresária são raras, sendo mesmo a primeira vez que está presente em Portugal para uma inauguração.

A filha do ex-presidente de Angola, que se fará acompanhar no evento pelo ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral e por Mário Leite Silva, o seu braço direito em Portugal e chairman da Efacec, está a dar um sinal da importância que a mobilidade elétrica assume dentro da empresa.

A Efacec que, em 2016, voltou aos lucros (4,3 milhões de euros, face a prejuízos de 20,5 milhões de euros, no ano anterior), está presente na área da mobilidade elétrica desde 2008, antes inclusive do lançamento de veículos elétricos no mercado nacional, que só viria a acontecer em 2010.

A Efacec assume-se como um dos principais fabricantes mundiais de infraestruturas de carregamento de veículos elétricos com presença em mais de 40 países, repartidos por cinco continentes.

A mobilidade elétrica pesa já 6% do volume de negócios da Efacec, cerca de 26 milhões de euros, e tem a ambição de atingir os 15% num futuro próximo.

O evento tem início agendado para as 11h00, estando a abertura a cargo do ministro da Economia e de Isabel dos Santos. Para além da inauguração, o dia fica também marcado pela conferência Plug in Talks sobre “O futuro da mobilidade elétrica”, que será encerrada por Mário Leite Silva.

A conferência terá como oradores Helena Braga, investigadora da nova geração de baterias sólidas, da Universidade de Austin, nos Estados Unidos; Pedro Silva, diretor-geral da mobilidade elétrica da Efacec; Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto; e Ricardo Oliveira, fundador do WorldShopper e autor do estudo “2025 Automative 360º Vision”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Efacec: Nova fábrica de mobilidade elétrica e Isabel dos Santos marcam dia de amanhã

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião