Sindicatos marcam greve na Efacec contra alegados “despedimentos”

  • Lusa
  • 24 Outubro 2017

Os sindicatos afetos à Efacec decidiram marcam uma greve para a próxima sexta-feira, protestando contra alegados "despedimentos" que a empresa diz não serem verdade.

Os trabalhadores da Efacec vão fazer greve na próxima sexta-feira contra “despedimentos” que o sindicato alega que a administração pretende fazer, mas a empresa refuta as acusações e considera que não existem fundamentos para o protesto.

O dirigente do SITE-Norte (Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Norte), Miguel Moreira, disse à agência Lusa que a greve foi convocada para denunciar as “pressões que a empresa está a fazer para despedir vários trabalhadores”. O dirigente sindical relatou que a Efacec “está a fazer uma restruturação” e que vários trabalhadores “estão a ser chamados aos gabinetes para prescindirem do seu emprego, o que é inaceitável”.

Confrontada com as acusações do sindicato, fonte oficial da Efacec disse à Lusa que a empresa “respeita o direito à greve, mas considera que não existem fundamentos para a convocação da mesma”. “A empresa não se revê nas acusações feitas, que não correspondem à realidade”, sublinhou a fonte, acrescentando que a administração, desde que assumiu funções, há dois anos “sempre assumiu uma postura de diálogo com os trabalhadores e com as suas estruturas representativas”.

De acordo com a mesma fonte, “não corresponde à verdade a existência de pressões para a saída de colaboradores da empresa”. “As pessoas que optam por sair da Efacec fazem-no de comum acordo ou por sua livre e espontânea vontade para assumir novos desafios profissionais”, acrescenta a empresa na resposta enviada por email à Lusa.

A empresa destaca ainda o acordo assinado com a comissão de trabalhadores em maio sobre a revisão salarial e lembra os aumentos salariais acima da inflação, que se situaram “entre 3% e 5% nos últimos dois anos”, além de outras medidas. A Efacec “encontra-se num processo de transformação, iniciado em outubro de 2015, que visa adequar a empresa à nova realidade dos mercados, às necessidades dos seus clientes e à crescente competitividade da concorrência” e implementou um novo modelo de gestão de recursos humanos, adianta a mesma fonte.

A empresa tem mais de 2.300 trabalhadores “e várias dezenas de processos de recrutamento em aberto”, afirma a fonte da Efacec, apelando “ao sentido de responsabilidade dos representantes dos trabalhadores”.

Já em maio, na apresentação de resultados da empresa referentes a 2016, a administração da Efacec garantiu que não estava “pensado nem em curso nenhum processo de despedimento”, apesar de ter pedido ao Governo a extensão do estatuto que permite fazer rescisões por mútuo acordo. “Até dezembro de 2016 não utilizámos essa prerrogativa e o que pedimos foi a oportunidade de o podermos fazer mais adiante. Não queremos fazê-lo, mas se podemos ter a capacidade de o fazer, porque é que não vamos usá-la”, disse na altura o presidente executivo, Ângelo Ramalho.

O grupo Efacec pediu em janeiro a extensão da concessão do estatuto de empresa em reestruturação até ao final de 2018, o que permite avançar, caso necessário, com rescisões por mútuo acordo, até um total de 424.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicatos marcam greve na Efacec contra alegados “despedimentos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião