Empresas perspetivam mais investimento e exportações em 2017

  • Lusa
  • 24 Outubro 2017

Equipamentos, seguindo-se apostas nas tecnologias de informação, na formação profissional e na internacionalização, são os principais destinos de investimento revelados no estudo anual da AIP.

Mais de metade (53%) das companhias inquiridas num estudo da Associação Industrial Portuguesa (AIP) revela intenção de investir este ano, enquanto 78% das que exportam preveem aumentar as transações para fora do país, segundo os resultados hoje divulgados.

No seu inquérito anual à atividade empresarial, a AIP conclui também que o investimento das companhias que dizem que o vão fazer será, essencialmente, destinado a equipamentos, seguindo-se apostas nas tecnologias de informação, na formação profissional, na internacionalização, no ‘marketing’, na investigação e desenvolvimento e na qualidade, informa a AIP em comunicado.

As principais fontes de financiamento apontadas são o autofinanciamento (79%), o crédito bancário (44%) e o ‘leasing’ (19%), acrescenta.

Quanto aos montantes destes investimentos, cerca de 40% das empresas disponíveis para investir falou em valores superiores aos de 2016.

Relativamente às exportações, a AIP nota que cerca de 59% das companhias inquiridas diz querer apostar no exterior, sendo estas, fundamentalmente, empresas de média dimensão.

Aludindo à intensidade exportadora, a associação nota que em cerca de 54% das empresas inquiridas as exportações representam mais de 25% do seu volume de negócios.

As empresas que preveem mais exportações face a 2016 são dos setores da indústria e da construção, comércio e serviços.

Questionadas sobre a perspetiva dos próximos 12 meses, grande parte (59%) das 738 entidades inquiridas, de todo o país, considera que a conjuntura vai ser igual, enquanto 34% prevê que seja melhor e 7% projeta que seja pior.

Os inquéritos foram feitos entre 17 de maio e 30 de junho de 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas perspetivam mais investimento e exportações em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião