300 mil ainda usam cadernetas. Caixa quer que passem a digitais

Há mais de 300 mil clientes da CGD que hoje usam a caderneta. O banco público quer que pelo menos uma parte destes clientes esteja a usar a caderneta digital ainda este ano.

Depois de ter introduzido comissões para os clientes que façam levantamentos com a caderneta, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai dar início a uma “transição suave” da caderneta física para uma digital. São mais de 300 mil os clientes do banco público que hoje usam este documento e a administração liderada por Paulo Macedo quer que, no final deste ano, alguns destes clientes já estejam a utilizar a caderneta digital.

“O nosso projeto é, este ano, lançar a caderneta digital, para não quebrar um hábito, mas agora apresentada de uma nova forma. A caderneta que existe hoje e que a Caixa mantém vai ter condicionantes para servir como meio de autenticação, depois de as diretivas comunitárias estarem totalmente em vigor. A Caixa quer responder a este conjunto de pessoas, dando-lhes uma opção mais evoluída”, disse Paulo Macedo aos jornalistas, em declarações à margem da Banking Summit.

Em causa está uma nova diretiva europeia que fará com que o sistema da caderneta deixe de ser “considerado suficientemente forte a partir de uma determinada data”, explica Paulo Macedo. “Há um prazo e estamos a trabalhar para que as pessoas sejam minimamente afetadas”, adianta.

Este processo não será feito “de um dia para o outro” e o presidente da CGD garante que quer que “haja uma inclusão”, para que “as pessoas possam aprender a manusear” o novo instrumento.

Sem referir exatamente quantos clientes estão abrangidos, Paulo Macedo diz que são mais de 300 mil e que o objetivo é que parte destes já esteja, no final deste ano, a utilizar a caderneta digital. Seja como for, será “uma transição muito suave”, assegura. “O que queremos é que as pessoas sejam servidas”.

"Os custos são uma vertente essencial, mas, primeiro, está o serviço ao cliente. Se não fosse essa a principal preocupação, descontinuávamos a caderneta.”

Paulo Macedo

Presidente da CGD

O presidente da CGD também não refere que poupança, em termos de custos, é que esta medida vai representar para o banco público. “Os custos são essenciais, porque o que os portugueses dizem é que não querem pagar mais comissões. Os custos são uma vertente essencial, mas, primeiro, está o serviço ao cliente. Se não fosse essa a principal preocupação, descontinuávamos a caderneta”, aponta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

300 mil ainda usam cadernetas. Caixa quer que passem a digitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião