Goldman Sachs vê criptomoedas a “negociar a zero”

  • Ana Batalha Oliveira
  • 7 Fevereiro 2018

"Só porque estamos numa bolha especulativa não significa que os preços atuais não possam subir para uma mão cheia de sobreviventes", assinala contudo o banco de investimento.

As criptomoedas estão a ver quebras generalizadas e já perderam cerca de 500 mil milhões em valor de mercado. “Dada a falta de valor intrínseco, as moedas que não sobrevivam irão provavelmente negociar a zero“, defende Strongin, o responsável de pesquisa de investimento do Goldman Sachs.

Os investidores devem preparar-se para as moedas digitais perderem todo o seu valor ao serem substituídas por futuros concorrentes, assinala o relatório da Goldman Sachs de dia 5 de fevereiro. Para o autor e analista do banco de investimento, Steve Strongin, as recentes variações de preço indicam uma bolha, embora não consiga prever quando irão ocorrer as perdas de que fala.

Só porque estamos numa bolha especulativa não significa que os preços atuais não possam subir para uma mão cheia de sobreviventes“, diz Strongin, mas, “paralelamente, é provável que a maior parte, se não todas, nunca vejam os picos recentes novamente”.

As criptomoedas apresentam uma trajetória ascendente esta quinta-feira. A bitcoin está a cotar nos 8.165 dólares, uma subida de 5,53% — 24,44% no período de 24h, assinala o site CoinMarketCap. Isto, depois de descer aos 6.012 dólares no dia anterior, uma desvalorização de 68% face ao máximo histórico de 19.000 dólares, atingido em meados de dezembro.

As restantes moedas digitais, que também têm afundado na maré de desvalorização, acompanham agora a subida da bitcoin. No prazo de um dia, a Ethereum valorizou 29,30% para os 817 dólares, à semelhança da Litecoin, que sobe 29,09% para os 149,53 dólares. No mesmo período, a Ripple cresceu 19,89% para os 0,776810 dólares, nota o mesmo site.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Goldman Sachs vê criptomoedas a “negociar a zero”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião