Patrões insistem: mexer na legislação laboral não é prioritário

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 7 Fevereiro 2018

Com os partidos mais à esquerda a exigir mudanças no âmbito da legislação laboral, os parceiros patronais reforçam a ideia de que há outras prioridades.

Os parceiros patronais entendem que mexer na legislação laboral não é prioritário. O Bloco de Esquerda já exigiu a reversão, ainda este ano, de alterações introduzidas durante o programa de ajustamento e esta terça-feira, o grupo parlamentar do PCP anunciou o agendamento de um debate parlamentar sobre algumas normas.

A discussão sobre o mercado de trabalho já foi lançada na concertação social, através da discussão do Livro Verde sobre as Relações Laborais. Esta quarta-feira, os parceiros voltam a reunir-se, desta vez com o tema da contratação coletiva como pano de fundo.

Nesta matéria, a CGTP tem vindo a defender o fim da norma da caducidade das convenções coletivas e a reposição do princípio do tratamento mais favorável e, ao ECO, garante que vai insistir no tema. Já a UGT quer regular melhor a utilização da figura da caducidade e alargar o leque de matérias que constituem imperativos mínimos.

Ainda que este seja o tema planeado para a reunião de hoje, há outros pontos da legislação laboral que prometem gerar discórdia mais para a frente. A contratação a prazo, por exemplo, está na mira do Executivo. E os partidos que apoiam o Governo também já insistiram na reversão de cortes introduzidos no período da troika. Ontem, o grupo parlamentar do PCP anunciou o agendamento de um debate parlamentar sobre a caducidade da contratação coletiva, o princípio do tratamento mais favorável aos trabalhadores e a regulação de horários.

Do lado dos patrões, mexidas na legislação laboral não são o mais importante. “Não é a legislação laboral que deve ser prioritária neste momento para a economia”, disse ao ECO o presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, descartando a necessidade de mudanças na contratação a termo, por exemplo. António Saraiva aponta antes para outras preocupações como a “qualificação, financiamento, fiscalidade”.

António Saraiva está disponível para discutir melhorias na contratação coletiva mas avisa que há linhas “intransponíveis”, das quais não abdicará. Como exemplo aponta a questão da caducidade ou o banco de horas individual (que o programa do Governo promete eliminar) bem como “questões que a esquerda parlamentar quer alterar”.

Também o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) diz que “é preferível não mexer” na legislação laboral, até tendo em conta que o desemprego está a baixar. Vieira Lopes receia que eventuais alterações “tenham repercussões no investimento”.

Governo apresenta posições sem as discutir previamente, critica CCP

João Vieira Lopes aponta o dedo ao Governo, considerando que “está permanentemente a apresentar posições como adquiridas sem as discutir previamente na concertação social”. Uma postura que acaba por desvalorizar a concertação social, diz. Por exemplo, as alterações à transmissão de estabelecimento, já aprovadas no Parlamento, praticamente não passaram pelos parceiros sociais, acrescenta ainda.

O presidente da CCP deixa assim o alerta: se o Governo “agir de forma unilateral, naturalmente criará situações de crispação”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Patrões insistem: mexer na legislação laboral não é prioritário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião