Quantas pessoas desperdiça o mercado de trabalho? 900,9 mil

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 7 Fevereiro 2018

Desempregados, pessoas que gostariam de trabalhar mais horas e inativos que não estão disponíveis para trabalhar ou não procuram emprego. O retrato da subutilização do trabalho em Portugal.

Além dos desempregados, há ainda mais de 400 mil pessoas que não estão a ser totalmente aproveitadas pelo mercado de trabalho: ou porque não trabalham tantas horas quanto desejariam, ou porque não procuram emprego ou ainda porque não estão disponíveis.

Este é um indicador que permite ter uma visão mais ampla da subutilização do trabalho, uma vez que não aborda apenas o número de desempregados. Na reta final de 2017, a subutilização do trabalho abrangia 844,4 mil pessoas. Já no conjunto do ano, eram 900,9 mil, avançam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) publicados esta quarta-feira. Quem são?

  • 462,8 mil desempregados
  • 201,7 mil trabalhadores a tempo parcial que pretendiam, e estavam disponíveis, para trabalhar mais horas
  • 23,5 mil inativos à procura de emprego mas não disponíveis para trabalhar
  • 213 mil inativos disponíveis para trabalhar mas que não procuram emprego

De acordo com os dados do INE, entre 2016 e 2017 só aumentou o número de inativos à procura de emprego mas não disponíveis (de 20,5 mil para 23,5 mil).

No conjunto, a subutilização de trabalho registou uma descida de 14,8% (ou 157 mil) comparando com 2016. Em causa está uma taxa de 16,5% — tendo em conta um conceito mais alargado de população ativa — acima da taxa de desemprego de 8,9%. Os números são menos expressivos do que em 2016 (19,5% e 11,1%, respetivamente).

Subemprego de trabalhadores a tempo parcial aumenta em comparação trimestral

Olhando especificamente para o último trimestre de 2017, a subutilização de trabalho abrangia 844,4 mil pessoas, o que corresponde a uma taxa de 15,5%. Também aqui a evolução é positiva, já que a subutilização do trabalho recuou 2,9% em termos trimestrais e 17,2% em termos homólogos — e a taxa também desceu.

Dos 844,4 mil ‘subutilizados’, 422 mil correspondem a desempregados, seguindo-se 201,3 mil inativos disponíveis mas que não procuram emprego, 200,1 mil trabalhadores a tempo parcial que gostariam de laborar mais horas e 20,9 mil inativos à procura de emprego mas não disponíveis para trabalhar.

Entre estes grupos, há dois a registar aumentos. O subemprego de trabalhadores a tempo parcial avançou, em termos trimestrais, 12,7%, ainda que tenha recuado 9,5% em comparação homóloga. E o número de inativos à procura de emprego mas não disponíveis para trabalhar manteve-se praticamente inalterado face ao trimestre anterior mas aumentou 5,5% (1,1 mil) em relação ao quarto trimestre de 2016.

“Desde o 1.º trimestre de 2013, quando a população desempregada e a subutilização do trabalho começaram a descer, até ao 4.º trimestre de 2017, a população desempregada e a subutilização do trabalho têm descrito uma trajetória descendente, com uma diminuição de 54,5% e 42,5%, respetivamente (abrangendo 504,8 mil e 625,2 mil pessoas)”, nota o INE.

O Instituto avisa, contudo, que a medida sobreavalia a subutilização do trabalho. Desde logo, porque “sobrestima o contributo potencial do subemprego de trabalhadores a tempo parcial, pois não considera as horas de trabalho realizadas por estes empregados (tipicamente, as horas trabalhadas correspondem a metade do total desejado)”, diz. Além disso, porque “sobrestima a população ativa alargada, uma vez que os dois subgrupos de inativos considerados têm, em geral, uma menor ligação ao mercado de trabalho do que os desempregados, o que se traduz na existência de uma menor probabilidade de transição para a população ativa, de uma maior proporção de pessoas que nunca trabalharam ou que deixaram de trabalhar há mais de 2 anos e de uma menor proporção de pessoas que se autoclassificam como desempregadas”, adianta ainda o INE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quantas pessoas desperdiça o mercado de trabalho? 900,9 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião