Câmara de Lisboa quer gerir bairros do IHRU

  • Lusa
  • 8 Fevereiro 2018

Câmara de Lisboa está "a concluir a negociação com o Estado e com o Exército, para ficar "com a ala norte da Manutenção Militar", anunciou FernandoMedina.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, defendeu na quarta-feira que o município deveria assumir a gestão dos bairros que atualmente se encontram sob a alçada do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU).

“A solução de termos bairros geridos pelo IHRU é uma má solução. O IHRU não tem hoje vocação para fazer a gestão de bairros municipais e os bairros deviam ser geridos pela Câmara”, disse Medina.

A solução de termos bairros geridos pelo IHRU é uma má solução. O IHRU não tem hoje vocação para fazer a gestão de bairros municipais e os bairros deviam ser geridos pela Câmara.

Fernando Medina

Presidente da Câmara de Lisboa

Falando na reunião descentralizada que decorreu na noite de quarta-feira, dedicada a ouvir os munícipes das freguesias de Marvila e do Beato, o líder do executivo de maioria socialista afirmou que “há um sentimento de abandono por parte de muitas pessoas que residem aqui, aliás por nem sequer saber onde se dirigem ou a quem se dirigem para pôr os problemas”.

Já sinalizámos ao Governo que temos total empenho, total prioridade em assumir a gestão dos bairros do IHRU, todos. Não é um processo fácil, mas espero que o possamos concluir o mais breve possível, para que eles passem para a Gebalis” – a empresa que gere os bairros municipais -, acrescentou. A questão foi levantada por duas munícipes que apontaram problemas nas suas habitações.

Na resposta, Medina dirigiu-se diretamente às duas mulheres: “assim, vocês queixam-se Câmara, e a verdade é que a Câmara pode dar as respostas que querem ouvir ou até que não querem ouvir, mas pelo menos ouvem uma resposta e sabem com quem estão a falar”. Na opinião do autarca, “é assim que deve funcionar”, para que o município possa “realizar as intervenções necessárias”. “Não vos posso prometer quando, mas posso-vos garantir que estamos a tratar desse processo”, rematou.

Na reunião, Medina anunciou ainda que o município está “a concluir a negociação com o Estado e com o Exército”, para ficar “com a ala norte da Manutenção Militar”. “Queremos que no fim deste mandato aquilo que é uma fábrica deserta, aquilo que é um complexo de edifícios abandonado, se transforme de novo num grande ponto de emprego, num ponto de riqueza, de oportunidades para os jovens, para os comerciantes, para os lojistas, para toda a economia”, precisou o presidente da Câmara.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa quer gerir bairros do IHRU

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião