Lisboa em queda ligeira. EDP Renováveis e Galp condicionam

A praça lisboeta segue em queda, condicionada pelo deslize em torno de 1% das ações da EDP Renováveis e da Galp Energia. Lisboa segue pares europeias.

A bolsa nacional arrancou em terreno negativo, a corrigir da subida de mais de 2% da sessão anterior. A praça lisboeta está a ser condicionada pelo deslize em torno de 1% das ações da EDP Renováveis e da Galp Energia.

O PSI-20 iniciou a sessão a desvalorizar uns ligeiros 0,05%, para os 5.440,96 pontos, perdas que entretanto estendeu para perto de 0,5%, acompanhando o rumo dos pares europeus que também seguiam no vermelho.

A Galp Energia é um dos títulos que mais condiciona o rumo da praça lisboeta, com as suas ações a recuarem 1,03%, para os 14,855 euros. A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva acompanha as cotações do petróleo que também seguem em queda nos mercados internacionais. No mesmo sentido segue a EDP Renováveis, com as suas ações a deslizarem 0,86%, para os 6,935 euros.

No setor energético, a EDP é o único destaque positivo. As ações da EDP Seguem a valorizar uns ligeiros 0,07%, para os 2,731 euros, depois de a elétrica ter anunciado que realizou um investimento na Aperio Systems, uma empresa de ciber segurança israelita. A operação foi feita em conjunto com dois fundos de capital de risco: a Data Point Capital e a Scopus Ventures. O investimento foi de 4,5 milhões de dólares.

A tendência de quedas das energéticas é acompanhada pelo BCP que tem os seus títulos a deslizarem 0,69%, para os 30,29 cêntimos, condicionando assim também o PSI-20

Em queda, referência também para a Navigator. As suas ações recuam 0,52%, para os 4,212 euros, depois de a papeleira ter anunciado uma quebra dos seus resultados no ano passado. A Navigator viu os seus lucros caírem 4,5% em 2017, para 207,8 milhões de euros, resultado que foi condicionado por resultados não recorrentes positivos registados no ano anterior.

Em terreno positivo, para além da EDP, destaque apenas para mais dois títulos: a Ibersol e os CTT. Os títulos dos CTT encabeçam nas subidas, com as suas ações a valorizarem 0,48%, para os 3,366 euros.

(Notícia atualizada às 8h25 com mais informação e novas cotações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa em queda ligeira. EDP Renováveis e Galp condicionam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião