Número de empresas novas supera as que “morreram” em janeiro

No primeiro mês deste ano foram constituídas 664 novas empresas, o que compara com 627 sociedades que entraram em insolvência no mesmo período.

O número de empresas que entraram em insolvência no primeiro mês do ano aumentou para máximos dos últimos três anos em igual período. Uma subida que, no entanto, foi mais do que compensada pelo número de empresas criadas no mesmo período. Em janeiro 627 empresas ficaram insolventes, enquanto as que foram criadas ascenderam a 664, revelam números da Iberinfor.

Os números divulgados nesta quinta-feira mostram que as insolvências aumentaram 1,8%, em janeiro, com mais 11 empresas a serem consideradas insolventes face ao registado no mesmo mês do ano passado. No total, foram registadas 352 declarações de insolvência, mais 54 que em 2017, “o que resulta no aumento total das insolvências uma vez que os restantes tipos de ações apresentam descidas”, explica a Iberinfor.

Lisboa e Porto foram os distritos com número de insolvências mais elevado, 152 e 140 respetivamente, mas Lisboa registou uma diminuição de 16,5% enquanto o Porto apresentou um aumento de 10,2% face ao período homólogo de 2017.

O Comércio de Veículos foi o setor com maior aumento no número de empresas insolventes no primeiro mês deste ano, mais 38,9% que no período homólogo de 2017. Seguiram-se os setores da Indústria Transformadora (mais 7,5%), Comércio a Retalho e por Grosso (mais 5,3% e 5,1% respetivamente) e construção e obras públicas (aumento de 5,1%). Com diminuição no número de insolvências surgiam os setores de: eletricidade, gás, água (menos 50%), transportes (menos 14,8%), hotelaria e restauração (redução de 11,1%) e outros serviços (menos 7,8%).

O saldo líquido entre as empresas que morreram e as que nasceram foi, contudo, positivo. Em janeiro, as constituições aumentaram 15% em relação a 2017, evoluindo de um total de 4.435 para 5.099 novas empresas constituídas. Ou seja, 664 novas empresas. Em termos acumulados, verifica-se um acréscimo progressivo desde 2016 na criação de empresas.

Lisboa apresentou o número mais significativo de constituições, com 1.758 novas empresas, 34,7% do total em janeiro. Este valor traduz um ligeiro acréscimo de 0,6% no peso do distrito em relação a 2017. O Porto apresenta igualmente um valor elevado (930 novas empresas), responsável por 18,2% do total de constituições em janeiro e um ganho de 0,6% face à sua posição em 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de empresas novas supera as que “morreram” em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião