Uma semana explosiva nas bolsas. Lisboa perdeu dois mil milhões de euros

Desapareceram mais de dois mil milhões de euros do mapa da bolsa de Lisboa esta semana. PSI-20 caiu mais 4% em cinco sessões explosivas nos mercados acionistas mundiais.

PSI-20 caiu mais de 4% esta semana.Composicao/Lidia Leao

Foi uma semana terrível na bolsa de Lisboa. Em apenas cinco sessões, desapareceram do mapa do PSI-20 mais de dois mil milhões em valor de mercado. Só a Galp desvalorizou mais de 600 milhões, numa semana em que os nervos estiveram à flor da pele com dois mini-crashes em Wall Street.

O principal índice português fechou esta sexta-feira a cair 1,55% para 5.294,9 pontos, agravando para 4,02% as perdas acumuladas ao longo da semana. Lá fora o dia não foi melhor: de Madrid a Frankfurt, passando por Paris e Londres, as principais praças europeias encerraram hoje com quedas superiores a 1%.

Não foi mesmo uma semana própria para os investidores mais sensíveis, isto apesar de os analistas há já algum tempo terem antecipado uma correção, depois de meses e meses de subidas nos mercados mundiais à boleia do bom momento da economia global. Só que boas notícias também podem ser más notícias para os mercados. Com os bons dados económicos norte-americanos a pressionarem a inflação, a Reserva Federal americana deverá promover mais subidas das taxas de juro do que se estava à espera e, com isso, agravar o preço do dinheiro com impacto negativo para as empresas.

“As fortes subidas dos últimos meses criaram algumas bolhas no mercado acionista que, conjugadas com o receio de inflação provocaram estas fortes quedas”, referiu Gualter Pacheco, trader do Banco Carregosa, ao ECO. “A confirmar-se a antecipação de um ciclo de subidas de taxas de juro e também a retirada de estímulos por parte dos bancos centrais acredito que podemos ter no futuro mais quedas nos mercados”, antevê o analista.

As fortes subidas dos últimos meses criaram algumas bolhas no mercado acionista que, conjugadas com o receio de inflação provocaram estas fortes quedas.

Gualter Pacheco

Trader do Banco Carregosa

Por Lisboa, foram poucas as cotadas que escaparam a esta aversão ao risco no cenário global. Apenas a Sonae Capital, a Pharol e Jerónimo Martins terminaram a semana com saldo positivo. Do lado das perdas, a Galp tem mais para contar: emagreceu em bolsa 630 milhões. Ainda no setor energético, a EDP perdeu 330 milhões.

BCP, Navigator e Nos viram eliminados 200 milhões de euros nos respetivos valores em bolsa.

Em Wall Street, depois de dois mini-crashes esta semana, as bolsas continuam continuam esta sexta-feira dominadas pelo medo e volatilidade. O Dow Jones, que esteve no olho do furacão ao protagonizar duas quedas históricas acima dos mil pontos, cai mais de 1%, apesar de já ter estado em terreno positivo. O S&P 500 cai 0,12%.

(Notícia atualizada às 17h11)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma semana explosiva nas bolsas. Lisboa perdeu dois mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião