Turistas em Portugal estão a comprar mais em regime tax free. Angolanos lideram as compras

  • Lusa
  • 14 Fevereiro 2018

Em média, os turistas em Portugal gastaram 269 euros em regime "tax free", uma modalidade em que o valor do IVA lhes é devolvido. Turistas angolanos lideraram as compras.

O valor médio de compra tax free (reembolso de IVA a turistas) aumentou para 269 euros em 2017, que compara com 262 euros do ano anterior, com os turistas angolanos a liderarem as compras, segundo a Tax Free Global Blue. Em comunicado, a gestora de operações adianta que as vendas tax free aumentaram 36% em 2017, face a 2016, sem revelar o valor de vendas alcançado.

A liderar o ranking das cinco nacionalidades que mais compram em Portugal, mantêm-se os turistas angolanos, representando 34% do total das compras, com um acréscimo de 30% do que em 2016, embora com uma descida ligeira no valor da compra média (de 256 euros em 2016, para 252 euros em 2017). Os turistas brasileiros voltam a estar na segunda posição, com 21% do total das compras efetuadas em 2017 e mais 54% que em 2016, tendo feito, em média, compras no valor de 225 euros, mais oito euros do que em 2016.

Os turistas chineses, em terceiro lugar do ranking, com 14% de quota de mercado e um aumento de 47% no total das compras feitas em 2017, lideram o valor da compra média, que subiu para os 642 euros por compra, quando em 2016 foi de 574 euros. Os turistas americanos e os moçambicanos surgem em quinto lugar, respetivamente com 4% e 3% do total das compras realizadas, embora com valores médios de compras efetuadas substancialmente mais elevado no caso dos americanos (506 euros, contra os 197 dos moçambicanos).

Turismo chinês está a ganhar importância

A Global Blue diz que os turistas chineses são cada vez mais importantes para Portugal, tendo o país recebido em 2017 mais de 180 mil chineses (segundo dados do Turismo de Portugal), num número que é expectável que aumente este ano. A gestora de operações recorda que no dia 1 de julho entra em vigor o eTaxFree, um processo integralmente digital em que os dados das transações de cada compra são comunicados online e em tempo real à autoridade tributária, diretamente dos pontos de venda.

Desta forma, quando o turista se dirige à alfândega — balcão da alfândega ou junto dos diversos quiosques eletrónicos que estarão disponíveis nos aeroportos do país –, toda a informação necessária para levar a cabo o processo de validação pode ser instantaneamente obtida bastando para o efeito a leitura do passaporte.

Com este novo sistema, reduz-se as filas de espera e o tempo necessário para processar os pedidos, permitindo um planeamento e uma distribuição mais eficiente dos recursos nas alfândegas. Além disso, torna o processo mais seguro ao permitir à Alfândega detetar precocemente quaisquer padrões suspeitos de atividade fraudulenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turistas em Portugal estão a comprar mais em regime tax free. Angolanos lideram as compras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião