Assunção Cristas: Legislação laboral e dinamismo das empresas explicam crescimento

  • Lusa
  • 14 Fevereiro 2018

A presidente do CDS-PP justificou o crescimento da economia portuguesa com o dinamismo das empresas e com a legislação laboral. Apelou ainda ao Governo para que não altere as leis laborais.

A presidente do CDS-PP atribuiu esta quarta-feira ao dinamismo das empresas e à legislação laboral o crescimento da economia, renovando o apelo ao Governo para que não altere as leis do trabalho, apesar das “pressões sucessivas” das “esquerdas radicais”.

Este crescimento alcança-se com uma legislação laboral que até agora não tem sido alterada e que nós esperamos que o Governo resista a alterá-la, apesar das pressões sucessivas por parte das esquerdas mais radicais para que haja mudanças nesta área”, defendeu Assunção Cristas. O Instituto Nacional de Estatística (INE) anunciou que a economia portuguesa cresceu 2,7% no conjunto de 2017, um ritmo de crescimento anual acima da média europeia, e o mais elevado desde 2000. “Aqui temos a prova provada de que é possível crescer economicamente, criar emprego, baixar o desemprego, com uma legislação com estabilidade”, vincou Assunção Cristas.

A menos de um mês do Congresso do CDS e a dois dias do início da reunião magna do PSD, a líder centrista recusou pronunciar-se sobre a influência da nova liderança do antigo parceiro de Governo e preferiu concentrar-se no elogio às empresas, relacionando o dinamismo do setor privado com os êxitos da economia. “A oposição que nós fazemos ao Governo tem a ver com aquilo que corre mal e que nós achamos que é da responsabilidade do Governo. Certamente que números positivos de crescimento da nossa economia são bons para o país”, defendeu.

Para a presidente do CDS, no país “há uma parte boa, que corre bem, que tem muito a ver com o trabalho essencialmente do setor privado, essencialmente de empresas, de dimensões muito diferentes”. “Nós vimos aqui um grande ator no mercado ibérico, como vimos também pequeninos produtores que vêm para primeira vez à SISAB. É desta malha, feita muito de pequenas empresas, às vezes micro e também médias empresas, que nós conseguimos desenvolver a economia portuguesa”, frisou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Assunção Cristas: Legislação laboral e dinamismo das empresas explicam crescimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião