Jardim promete “bengaladas” aos “meninos mal comportados” do PSD

  • Lusa
  • 17 Fevereiro 2018

"Agora, mais do que nunca vamos unir-nos", afirmou Alberto João Jardim, prometendo distribuir bengaladas se continuarem no partido "guerras de alecrim e manjerona".

O ex-presidente do Governo Regional da Madeira defendeu “o sonho de Sá Carneiro”, de “uma maioria e um Presidente que não seja situacionista” e prometeu distribuir bengaladas se continuarem no partido “guerras de alecrim e manjerona”.

“Nada de ansiedades, vamos ter de lutar, e lutar até construirmos o sonho de Sá Carneiro, uma maioria e um Presidente que não seja situacionista, mas que seja capaz de fazer um referendo em Portugal sobre a Constituição”, defendeu Alberto João Jardim.

Perante o 37.º Congresso do PSD, em Lisboa, Jardim fez também um apelo à união do partido, desafiando: “Se continuarem a fazer disto uma guerra de alecrim e manjerona, terei de vir aqui para dar umas bengaladas nos meninos mal comportados”.

“Agora, mais do que nunca vamos unir-nos”, afirmou. Alberto João Jardim enunciou sete objetivos para o país, relativamente aos quais “ou o PS converge ou não converge”, mas “se não converge, então, o papel do PSD não é dar importância ao PS e falar deles”, mas “explicar ao povo português” as consequências de não querer mudar a sua ação.

Esses sete objetivos passam por mais investimento público e privado, o fim da burocracia, a “coragem para a reforma na justiça“, um “sistema fiscal mais atrativo” para empresas e cidadãos, a descentralização em todo o território nacional, maior regulação do sistema financeiro, e “uma correta regulamentação da lei da greve no sistema de transportes e de saúde”.

“Os portugueses não podem ficar à mercê de chantagens nos transportes e na saúde”, declarou. Para Alberto João Jardim, é precisa uma reforma constitucional e uma reforma na Europa, para a qual defende uma “frente dos países do Sul”, rumo a um “federalismo da União Europeia”, que garanta os mesmos direitos e distribuição de rendimentos aos trabalhadores do Norte e do Sul.

Sem essa igualdade entre Norte e Sul, decretou: “Estamos num grande ‘bluff’, estamos numa grande treta”.

Numa intervenção de 15 minutos, Jardim argumentou ainda que a solução que apoia o Governo do PS não é de esquerda. “Sempre aprendi desde pequenino e ouvi dizer que a esquerda é quem transforma. Virem dizer que forças políticas que não querem mudar nada são de esquerda, estão a gozar comigo. Não me digam que a ‘geringonça’ é de esquerda, a ‘geringonça’ é do mais reacionário e conservador que temos em Portugal”, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jardim promete “bengaladas” aos “meninos mal comportados” do PSD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião