“Não é fácil bater a geringonça, mas é preciso”, diz Passos Coelho

O líder cessante criticou a atual solução governativa na sua despedida perante o congresso do PSD. A Rio deixou uma mensagem de apoio e disse que o CDS será importante no futuro.

“Temos hoje uma solução que do ponto de vista político não oferece grandes dúvidas: o Governo está centrado no curto prazo e faz a espargata para agradar a todos“, afirmou Pedro Passos Coelho, líder cessante do PSD, que discursou no congresso do partido. O líder social-democrata criticou os membros do atual Executivo por terem sido os mesmos responsáveis por Portugal ter estado com um programa de ajustamento. Mas reconhece que “não é fácil bater a geringonça”, ainda que seja necessário fazê-lo.

“O Governo só está preocupado consigo próprio, não está preocupado com o futuro do país”, afirmou Passos Coelho, assinalando que mesmo o crescimento económico não foi “extraordinário” dado que existem 13 países do Zona Euro que cresceram mais em 2017 do que Portugal — que registou uma subida do PIB de 2,7%, o maior crescimento desde 2000. “Demoraram praticamente dois anos para retomar o balanço que vinha de trás e já estamos a perder gás”, apontou.

Uma das poucas mensagens que o ex-primeiro-ministro deixou a Rui Rio esteve relacionada com o CDS. Relembrando o contributo do partido na coligação do anterior Governo, Passos Coelho afirmou que o CDS “será importante para o futuro”. “Pela primeira vez no país um Governo de coligação cumpriu a legislatura”, assinalou, defendo que as políticas de austeridade foram aplicadas sem agravar as desigualdades. Mas não quis falar mais do passado, remetendo para o livro que está a escrever as memórias dos últimos quase oito anos à frente do PSD.

“Nunca estivemos demasiado agarrados a um corpo ideológico como outros que quiseram meter a sociedade nas suas simplificações tão redutoras”, afirmou Passos Coelho, referindo que essa é uma qualidade do PSD. E deixou algumas linhas daquilo que considera ser o partido: “Não temos medo de não agradar… não fazemos por ser desagradáveis, mas não precisamos a todo o trânsito de agradar para fazer aquilo que achamos que é certo, respondendo pela consciência e esperando que o resultado seja aquele que as pessoas aguardam como justo”.

Quanto ao futuro, garante que será um “soldado” da união do partido, ainda que mais afastado. Dirigindo-se a Rio, Passos disse que no PSD gostam de “desafios difíceis”. “A batalha é difícil, mas não impossível”, assegurou, mostrando seu apoio mas também a sua “discrição”.

Tanto à entrada como à saída, Pedro Passos Coelho foi recebido com um forte aplauso por parte dos militantes do PSD. Além disso, trocou cumprimentos com Rui Rio e Pedro Santana Lopes, ambos na primeira fila do congresso.

(Notícia atualizada às 23h19)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não é fácil bater a geringonça, mas é preciso”, diz Passos Coelho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião