Morais Sarmento apontado para vice-presidente. “Rio não vai hesitar nas reformas do país”, diz no congresso

Aquele que deverá ser o primeiro vice-presidente do PSD, Nuno Morais Sarmento, afirmou este sábado que o novo líder é "um homem capaz de não hesitar nas mudanças e nas reformas que Portugal precisa".

Nuno Morais Sarmento discursou este sábado em antecipação do anúncio da equipa de Rui Rio, da qual deverá fazer parte. Segundo o Jornal de Notícias, Morais Sarmento vai ser o primeiro vice-presidente do PSD na nova direção. No seu discurso no 37.º congresso do partido, o social-democrata deixou uma mensagem de confiança para o novo líder: é “um homem que considero dos poucos portugueses capazes de não hesitar nas mudanças e nas reformas que Portugal tem de fazer, mesmo que isso afronte as populações sindicais ou judiciais“.

O presumível braço direito de Rui Rio começou o discurso por criticar a atuação do Estado nos incêndios do verão, elogiando o papel dos bombeiros e dos autarcas do PSD, em específico de Fernando Ruas, ex-autarca que estava em palco no papel de presidente da mesa do congresso. “O país acordou finalmente para o país esquecido”, afirmou, fixando como prioridade a descentralização.

Acredito na capacidade de Rui Rio para pensar, mobilizar e liderar o projeto alternativo à frente de esquerda.

Nuno Morais Sarmento

Quanto ao futuro, Morais Sarmento quer “romper” e “desafiar” ao lado de Rui Rio no qual acredita pelo seu sentido de “serviço” e “determinação”. “Acredito na sua capacidade para pensar, mobilizar e liderar o projeto alternativo à frente de esquerda e ao PREC que agora nos querem impor”, afirmou, acrescentando que “francamente ainda não percebi como é que vamos pagar este verdadeiro PREC”.

E até pediu a ajuda de Marcelo, o qual elogiou, pela sua “sensibilidade” e “princípios de social-democrata”, desafiando-o a “patrocinar” os pactos de regime que se avizinham porque se o fizer “deixa-se de falar em centrão”.

Num discurso para o partido, Nuno Morais Sarmento destacou um dos primeiros combates políticos da nova liderança, as eleições regionais da Madeira no início do próximo ano, recorrendo à luta de todos os militantes. Para o social-democrata a questão “não é enfrentar o PS”, mas sim “enfrentar sem medo toda esta frente popular de esquerda”. Momento que aproveitou para criticar ferozmente a atual solução governativa, destacando o “revivalismo estatizante” atual.

Dois dos três partidos [da geringonça] pretendem fazer com que Portugal ande para trás 30 anos.

Nuno Morais Sarmento

Os recursos do Estado já não servem para garantir as funções essenciais e pagar o que devemos, mas servem para satisfazer em primeiro lugar os interesses da frente de esquerda“, denunciou, garantindo que “dois dos três partidos [da geringonça] pretendem fazer com que Portugal ande para trás 30 anos”. Morais Sarmento aproveitou ainda para criticar a “irresponsabilidade do auto elogio do crescimento económico” para o Governo, argumentando que “isso acontece sem que nada tenha mudado”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morais Sarmento apontado para vice-presidente. “Rio não vai hesitar nas reformas do país”, diz no congresso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião