Partido deve conhecer primeiro o OE2019 e só depois anunciar voto

  • Lusa
  • 17 Fevereiro 2018

“Disse que o PSD é um partido sério, rigoroso e, portanto, só iria anunciar o sentido de voto depois de conhecer o documento”, disse Leitão Amaro.

O vice-presidente da bancada do PSD António Leitão Amaro defendeu este sábado que o anúncio do sentido do voto ao próximo Orçamento do Estado só deverá ser feito depois de se conhecer o documento, como tem sido prática dos social-democratas.

“O sentido de voto formalmente anunciado, é minha opinião que deve ser feito perante o documento apresentado”, afirmou António Leitão Amaro, em declarações aos jornalistas à entrada para o segundo dia do 37.º Congresso do PSD, que decorre até domingo, em Lisboa.

O sentido de voto formalmente anunciado, é minha opinião que deve ser feito perante o documento apresentado.

Leitão Amaro

Questionado sobre a posição hoje assumida pelo líder parlamentar social-democrata, Hugo Soares, de que o PSD deveria dizer já que vota contra o próximo Orçamento do Estado por ser “uma questão política essencial”, Leitão Amaro recordou o que disse há uns meses, à saída de uma reunião com o ministro das Finanças, Mário Centeno, quando o Governo apresentou as linhas gerais do documento do ano passado.

“Disse que o PSD é um partido sério, rigoroso e, portanto, só iria anunciar o sentido de voto depois de conhecer o documento”, lembrou, sublinhando que não mudou de opinião. Contudo, Leitão Amaro ressalvou ser pouco provável que a visão e escolhas da ‘geringonça’ mude no último dos Orçamentos dos Estado da legislatura.

“Não creio que António Costa vá mudar agora”, afirmou, acusando o Governo de ter uma política orçamental toda virada para o consumo interno.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partido deve conhecer primeiro o OE2019 e só depois anunciar voto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião