Draghi sai em 2019. Quem será o próximo líder do BCE?

  • ECO
  • 18 Fevereiro 2018

O presidente do BCE só vai sair daqui a mais de um ano e meio. Mas já há muito furor em torno de quem será o próximo líder do banco central. Weidmann é o favorito.

Mario Draghi vai deixar a presidência do Banco Central Europeu (BCE) em outubro de 2019. Apesar de ainda faltar mais de um ano e meio para o presidente do banco central abandonar o cargo, já é grande o furor em torno de quem vai substituir Draghi, depois de um mandato de oito anos que foi dominado por medidas para combater a crise e pela sua célebre frase de “fazer o que for necessário” para salvar o euro.

O próximo presidente do BCE, que será escolhido pelos governos da União Europeia, terá vários desafios pela frente, nomeadamente a saída de uma política de estímulos sem precedentes. Apesar de ser uma tarefa difícil, há vários candidatos dispostos a assumir as rédeas do banco que decide a política monetária na região.

Há um que é considerado favorito nesta corrida à liderança desta entidade europeia: o alemão Jens Weidmann, governador do Bundesbank, o banco central da Alemanha, de acordo com uma sondagem da Bloomberg.

Mas não é o único. Logo de seguida surge Villeroy de Galhau, o líder do banco central de França, mas também Philip Lane, governador na Irlanda (que está na corrida à vice-presidência do BCE). Christine Lagarde, diretora do Fundo Monetário Internacional, também surge como possível candidata.

Nos últimos lugares, aparece Luis Maria Linde, que está à frente do banco central de Espanha, numa altura em que se fala da possibilidade de o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, vir a ocupar o lugar de Vítor Constâncio, de vice-presidente do BCE.

Fonte: Bloomberg

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Draghi sai em 2019. Quem será o próximo líder do BCE?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião