Jogo online rende 54 milhões de euros ao Estado em 2017

  • ECO
  • 18 Fevereiro 2018

De acordo com os dados do primeiro ano completo desta atividade, o Estado angariou 54,3 milhões de euros com o jogo online. Já as empresas que exploram estas apostas obtiveram 122,5 milhões.

O jogo online está a render milhões. No primeiro ano completo desta atividade, rendeu ao Estado 54,3 milhões de euros, acima dos 40 milhões no ano anterior. Já as sete empresas a quem foram atribuídas licenças para explorarem as apostas desportivas e jogos de fortuna ou azar obtiveram 122,5 milhões de euros.

Estes dados, avançados pelo DN, são divulgados no mesmo dia em que foi publicado em Diário da República o regulamento que permite às casas de apostas disponibilizarem o chamado mercado de liquidez partilhada nos jogos de póquer e apostas desportivas online. Na prática, isto significa a possibilidade de existir um mercado comum com Espanha, França e Itália, como já tinha ficado definido entre estes países desde julho do ano passado.

O regulamento surge depois de França e Espanha estarem já neste regime de liquidez partilhada, com a Pokerstars, a única casa de póquer online a ter uma licença em território nacional. É provável que a empresa anuncie em breve a entrada de Portugal. E Itália ainda pode vir a aderir este semestre.

De acordo com as estatísticas publicadas na sexta-feira, as autorizações para as apostas desportivas, apesar de serem menos, renderam mais: 68,1 milhões de euros, face a 54,4 milhões. Mas há um ponto em comum: o aumento dos proveitos a partir do segundo trimestre do ano passado, com uma forte aceleração das apostas desportivas nos últimos três meses. Durante esse período, foram apostados 20,5 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jogo online rende 54 milhões de euros ao Estado em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião