Carlos Costa, no Via Bolsa: “Estamos a estabilizar a dívida, mas não estamos a reduzir”

  • Rita Atalaia
  • 20 Fevereiro 2018

O governador do Banco de Portugal alerta para níveis de dívida ainda elevados e que precisam de redução. E “dívida em cima de dívida significa menor capacidade de absorver perdas”, diz Carlos Costa.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, na abertura do Via Bolsa.Paula Nunes/ECO

O governador do Banco de Portugal (BdP) deixa um alerta: é preciso reduzir os níveis de dívida. Em mais uma edição do Via Bolsa, organizado pela Euronext Lisboa, Carlos Costa diz que o país está a estabilizar o endividamento, mas não a reduzi-lo. E que essa redução é necessária para dar um novo impulso ao financiamento e à economia. Se não se avançar com esta diminuição do crédito malparado, diz o líder do banco central, corre-se o risco de não se corrigir a trajetória observada até agora.

Ainda “temos níveis de NPL [crédito em incumprimento] elevados”, afirma Carlos Costa. Se não corrigirmos isto, “significa que o próximo ciclo de crescimento se fará alimentando um novo volume de crédito”, acrescenta o governador do banco central. Para o responsável, “não é possível absorver a crise sem reduzir o nível de NPE. Ou seja, os ativos que não gerem rendimento e que têm de ser transferidos de propriedade”.

É, por isso, necessário fazer mais. “Temos de ter consciência de que estamos a seguir para o patamar seguinte, onde se estabiliza o nível de dívida, mas não estamos a reduzi-la”, nota o governador. E “dívida em cima de dívida significa menor capacidade de absorver perdas”, acrescenta.

Sem a redução da dívida, “corremos o risco de não corrigir a trajetória” observada até agora, alerta Carlos Costa. O grande problema da economia portuguesa, refere, é que “tendo limitações de poupança e capacidade de financiamento, Portugal não se pode dar ao luxo de desperdiçar poupança ou destruir capital”. A prioridade deve, por isso, passar pela redução do “nível de endividamento das empresas e, ao mesmo tempo, investir”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Costa, no Via Bolsa: “Estamos a estabilizar a dívida, mas não estamos a reduzir”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião