Dívida pública acerta no alvo do Governo. Caiu para 126,2% do PIB em 2017

Apesar de o valor absoluto da dívida ter aumentado em relação a 2016, a aceleração da economia permitiu que o rácio da dívida caísse, ficando em linha com a meta do Governo.

O rácio da dívida pública encolheu, no final do ano passado, para 126,2% do produto interno bruto (PIB) nacional. O valor fica em linha com a meta que tinha sido inscrita no Orçamento do Estado para este ano e representa uma redução 3,9 pontos percentuais face ao rácio de 130,1% que tinha sido registado em 2016.

Os dados foram divulgados, esta quinta-feira, pelo Banco de Portugal. No ano passado, o valor absoluto da dívida aumentou em 1,6 mil milhões, ascendendo a 242,6 mil milhões de euros. Contudo, a aceleração da economia permitiu que o rácio da dívida em função do PIB melhorasse. Em 2017, a economia cresceu 2,7%, naquele que foi o maior crescimento desde 2000 e que se justifica com a aceleração do investimento.

O rácio da dívida pública registado no final de 2017 é o mais baixo desde dezembro de 2012, altura em que o rácio também era de 126,2%. Esta é, também, apenas a segunda vez que o Estado conseguiu reduzir o rácio da dívida pública desde 2007, ano em que o Banco de Portugal começou a publicar este registo. Ao longo deste período, o rácio da dívida pública caiu apenas por duas vezes: em 2015, para 128,8% (uma redução de 1,8 pontos percentuais em relação a 2014) e no ano passado. A meta para 2018 é de que o rácio caia para 123,5%.

Rácio da dívida caiu 3,9 pontos em 2017

Esta manhã, o Banco de Portugal publica ainda as estatísticas relativas ao endividamento das empresas. No final do ano passado, o endividamento do setor não financeiro aumentou em 7,5 mil milhões de euros, resultado de um aumento da dívida em 3,8 mil milhões do setor público de 3,7 mil milhões do setor privado. O endividamento do setor financeiro totalizava, assim, 718 mil milhões de euros no final de 2017.

(Notícia atualizada às 12h05 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública acerta no alvo do Governo. Caiu para 126,2% do PIB em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião