Dívida pública acerta no alvo do Governo. Caiu para 126,2% do PIB em 2017

Apesar de o valor absoluto da dívida ter aumentado em relação a 2016, a aceleração da economia permitiu que o rácio da dívida caísse, ficando em linha com a meta do Governo.

O rácio da dívida pública encolheu, no final do ano passado, para 126,2% do produto interno bruto (PIB) nacional. O valor fica em linha com a meta que tinha sido inscrita no Orçamento do Estado para este ano e representa uma redução 3,9 pontos percentuais face ao rácio de 130,1% que tinha sido registado em 2016.

Os dados foram divulgados, esta quinta-feira, pelo Banco de Portugal. No ano passado, o valor absoluto da dívida aumentou em 1,6 mil milhões, ascendendo a 242,6 mil milhões de euros. Contudo, a aceleração da economia permitiu que o rácio da dívida em função do PIB melhorasse. Em 2017, a economia cresceu 2,7%, naquele que foi o maior crescimento desde 2000 e que se justifica com a aceleração do investimento.

O rácio da dívida pública registado no final de 2017 é o mais baixo desde dezembro de 2012, altura em que o rácio também era de 126,2%. Esta é, também, apenas a segunda vez que o Estado conseguiu reduzir o rácio da dívida pública desde 2007, ano em que o Banco de Portugal começou a publicar este registo. Ao longo deste período, o rácio da dívida pública caiu apenas por duas vezes: em 2015, para 128,8% (uma redução de 1,8 pontos percentuais em relação a 2014) e no ano passado. A meta para 2018 é de que o rácio caia para 123,5%.

Rácio da dívida caiu 3,9 pontos em 2017

Esta manhã, o Banco de Portugal publica ainda as estatísticas relativas ao endividamento das empresas. No final do ano passado, o endividamento do setor não financeiro aumentou em 7,5 mil milhões de euros, resultado de um aumento da dívida em 3,8 mil milhões do setor público de 3,7 mil milhões do setor privado. O endividamento do setor financeiro totalizava, assim, 718 mil milhões de euros no final de 2017.

(Notícia atualizada às 12h05 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública acerta no alvo do Governo. Caiu para 126,2% do PIB em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião