Constâncio ganhou 340 mil euros no último ano no BCE

  • Rita Atalaia
  • 22 Fevereiro 2018

Vítor Constâncio recebeu, no seu último ano enquanto vice-presidente do BCE, 340 mil euros. Ou seja, 945 euros por dia. Um salário que não fica muito longe do de Draghi, que recebeu quase 400 mil.

Vitor Constâncio recebeu 340 mil euros no último ano enquanto vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE). Ou seja, 28.350 euros brutos por mês, mais de 900 euros por dia. O português vai agora ser substituído por Luis De Guindos, ministro das Finanças espanhol, depois de a Irlanda ter anunciado no início desta semana que decidiu retirar a candidatura do governador do banco central para a vice-presidência do BCE.

O salário de Constâncio — de 340.200 euros por ano — não fica muito longe do de Mario Draghi: o presidente do banco central que decide a política monetária na Zona Euro recebeu quase 396.900 euros no ano passado. De um ano para o outro, ambos os responsáveis viram os seus ordenados aumentarem em 1,83%. Os restantes responsáveis do BCE receberam todos valores abaixo dos 300 mil euros. É o caso de Peter Praet, Benoît Coeuré, Yvs Mersch e Sabine Lautenschläger.

Salários dos responsáveis do Banco Central Europeu

Fonte: Relatório e Contas do BCE

Constâncio vai agora deixar de receber este rendimento, uma vez que foi o último ano na vice-presidência do BCE. Mas a reforma também será generosa. Segundo o Correio da Manhã, o português vai receber mais de 16 mil euros por mês, o que corresponde a 70% do seu último salário no banco, segundo as regras válidas para o cálculo de pensões no BCE. Se este valor se juntar ao cerca de nove mil euros a que tem direito como reformado do Banco de Portugal, então Constâncio receberá uma pensão superior a 25 mil euros por mês.

Fonte oficial do Banco de Portugal disse ao jornal que “Vítor Constâncio foi empregado e governador do Banco de Portugal em vários momentos da sua vida profissional (…) O valor da reforma que lhe foi atribuída resultou da aplicação das regras em vigor no Banco de Portugal que se aplicam à generalidade dos seus empregados, sendo calculada em aplicação dos instrumentos de regulamentação coletiva e respetivas tabelas neles previstas”.

O vice-presidente do banco central vai em maio dar lugar ao espanhol Luis De Guindos. De Guindos venceu esta corrida depois de a Irlanda ter retirado a sua candidatura, mostrando-se confiante no trabalho do ministro espanhol. “Fará um trabalho muito importante na Irlanda e na Europa no futuro”, garantiu o ministro irlandês da Despesa Pública, Paschal Donohoe.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Constâncio ganhou 340 mil euros no último ano no BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião