Sem ganho com a venda da Monterroio, lucros da Jerónimo Martins caem. Retalhista dá tudo em dividendos

A Jerónimo Martins fechou o ano de 2017 com um lucro de 385 milhões de euros, menos 35% do que em 2016. A empresa vai pagar um dividendo de 0,613 euros por ação, no montante de 385 milhões de euros.

A Jerónimo Martins obteve no exercício de 2017, um resultado líquido de 385 milhões de euros, uma quebra de 35% face a igual período do ano anterior. Excluindo o impacto da Monterroio, subsidiária que o grupo vendeu em 2016, os resultados cresceram 6,7%, adianta a retalhista em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Tudo o que lucrou vai ser entregue aos acionistas.

O grupo vai propor o pagamento de um dividendo de 385 milhões de euros, correspondente a 0,613 euros por ação, que compara com os 0,605 euros por ação pagos em 2016. Há um aumento, apesar da quebra nos resultados, sendo que para isso a empresa liderada por Pedro Soares dos Santos vai recorrer à liquidez que tem.

Apesar da política de dividendos do grupo prever a distribuição “de um valor entre 40% a 50% dos resultados líquidos consolidados ordinários”, a Jerónimo Martins explica em comunicado que “considerando a solidez do balanço e a posição líquida de caixa no final do ano, bem como a capacidade de forte geração de caixa do Grupo, na sua reunião de 27 de fevereiro de 2018, o Conselho de Administração decidiu propor à Assembleia Geral de Acionistas, que decorrerá no dia 12 de abril de 2018, a distribuição de um dividendo de 385,2 milhões de euros”.

Um pagamento que corresponde, pelo segundo ano consecutivo, a um payout excepcional de 100%, aproximadamente o dobro do que resultaria da aplicação da política de dividendos.

Polónia na frente

As vendas da dona do Pingo Doce cresceram 11,3% para os 16.300 milhões de euros (ou 9,4% a taxas de câmbio constantes), uma performance impulsionada mais uma vez pela atividade na Polónia onde o grupo opera através da Biedronka.

Analisando os dados por insígnia, a cadeia polaca registou um crescimento das vendas de 13,2% para os 11.075 milhões de euros. Em termos de like for like o crescimento foi de 8,6%. Já Hebe, a rede de parafarmácias que o grupo detém na Polónia cresceu 35,7% para os 166 milhões de euros.

"A Jerónimo Martins vai continuar a investir nas nossas pessoas e na infraestrutura das nossas operações, comprometidos em encontrar, a todo o momento, o equilíbrio entre crescimento sustentável e rentabilidade, tanto no curto como no médio-longo prazos.”

Pedro Soares dos Santos

CEO da Jerónimo Martins

Em Portugal, o Pingo Doce registou vendas de 3.667 milhões de euros, mais 3,1% do que em 2016. Em comunicado, o grupo Jerónimo Martins dá conta de um crescimento like for like para o Pingo Doce de 1,0% no ano em que abriu mais 10 lojas. Já o Recheio viu as vendas like for like crescerem 6,2% no ano, com as vendas totais a atingirem os 942 milhões de euros, mais 7,2% do que no ano anterior.

Na Colômbia, a Ara alcançou vendas de 405 milhões de euros, 72% acima do ano anterior.

O EBITDA (resultados antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) cresceu 7,0% para os 922 milhões de euros. O EBIT, por seu turno, aumentou 4,2% para os 591 milhões de euros. A Jerónimo Martins refere que “este desempenho foi atingido num ano de investimento relevante na Colômbia e também nas propostas de valor da Biedronka e do Pingo Doce”.

O cash flow gerado para o período em análise foi de 249 milhões de euros já “incorporando o aumento registado no capex [investimento] em relação ao ano anterior”.

Grupo investiu 724 milhões de euros

Em 2017, o grupo liderado por Pedro Soares dos Santos investiu 724 milhões de euros, dos quais 51% foram afetos à expansão (lojas novas e centros de distribuição), já o restante foi alocado à remodelação do parque de lojas.

A Biedronka absorveu 49% do total do capex do grupo, num total de 354 milhões de euros. Deste pacote de investimentos faz parte a abertura de 121 lojas e a remodelação de 226 lojas e ainda um novo centro de distribuição. Já o Pingo Doce investiu 102 milhões de euros, na abertura de mais dez lojas, 23 remodelações profundas e 21 de natureza mais ligeira.

Na Colômbia, mais precisamente na ARA, o grupo investiu 169 milhões de euros, tendo inaugurado 169 lojas.

Pedro Soares dos Santos refere em comunicado que o grupo vai continuar “a investir nas nossas pessoas e na infraestrutura das nossas operações, comprometidos em encontrar, a todo o momento, o equilíbrio entre crescimento sustentável e rentabilidade, tanto no curto como no médio-longo prazos”.

Para 2018, o presidente e administrador delegado do grupo promete manter “o crescimento como absoluta prioridade estratégica em todos os nossos mercados”. Para isso acrescenta: ” o programa de investimento do grupo deverá manter-se nos níveis de 2017 e atingir um valor de 700-750 milhões de euros, incluindo, para além dos projetos em expansão de todas as insígnias, a manutenção do forte plano de remodelações da Biedronka e do Pingo Doce.

(Notícia atualizada às 18h35 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sem ganho com a venda da Monterroio, lucros da Jerónimo Martins caem. Retalhista dá tudo em dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião