Itália ao ritmo mais acelerado desde 2010. PIB cresceu 1,5% no ano passado

O PIB italiano cresceu 1,5% no ano passado, em linha com o previsto e acima dos 0,9% registados no ano anterior. Défice orçamental caiu acima do esperado.

Escassos três dias de distância das eleições parlamentares, é conhecido que a economia italiana registou, no ano passado, o ritmo de crescimento mais acentuado em sete anos. Em 2017, o PIB de Itália cresceu 1,5% divulgou o gabinete de estatísticas público italiano esta quinta-feira.

O crescimento registado no ano passado compara com uma taxa de 0,9% registada no ano anterior e está em linha com aquilo que era previsto pelo Governo liderado por Paolo Gentiloni, mas também com a subida do PIB estimada para 2018.

Já o défice orçamental fixou-se em 1,9% do PIB do ano passado, abaixo dos 2,5% que se tinham verificado um ano antes e também do target de 2,1% antecipado pelo Governo de Itália.

Contudo, o gabinete de estatísticas público italiano ressalva que tanto o valor do défice orçamental como da dívida pública podem vir a ser revistos em alta, já que não incluem o dinheiro usado pelo Governo para resgatar dois bancos regionais.

De salientar que, em proporção do PIB, a dívida italiana é a mais elevada da zona euro, logo a seguir à Grécia. Isto apesar de no ano passado esta ter caído para 131,5%, abaixo do recorde de 132% registado em 2016.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Itália ao ritmo mais acelerado desde 2010. PIB cresceu 1,5% no ano passado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião