Está quase: ADSE e privados ultimam acordo parcial

  • ECO
  • 2 Março 2018

A ADSE revela que está a ultimar as tabelas em que já há acordo: preços das lentes, das diárias e dos exames de gastroenterologia. Os assuntos pendentes deverão levar mais um mês a serem resolvidos.

A ADSE revela que está a ultimar as tabelas em que já há acordo. É o caso dos preços das lentes, das diárias e dos exames de gastroenterologia. Contudo, existem outras áreas nas quais as negociações se deverão arrastar por mais um mês. O preço dos medicamentos é uma das questões por resolver, revela a Associação Portuguesa dos Hospitais Privados (APHP) ao Jornal de Negócios (acesso pago).

Em algumas matérias vamos prolongar as negociações por mais um mês“, revelou o presidente da ADSE, Carlos Liberato Baptista, em consonância com o presidente da APHP, Óscar Gaspar.

De fora do acordo conseguido até agora, ficaram medicamentos e a introdução de preços fechados em todas as cirurgias, duas áreas em que a ADSE estimava maiores poupanças na sua proposta inicial.

A APHP mostra-se, contudo, aberta à negociação, e explica o atraso: “em relação aos medicamentos estamos completamente alinhados sobre a necessidade de estabelecer uma metodologia de fixação de preços máximos. Acontece que, tratando-se de medicamentos hospitalares, há muitos fármacos que não têm preço de venda ao público (PVP) pelo que é necessário recorrer ao Infarmed para esse efeito”.

No caso das cirurgias, existem outros entraves: “a questão das diárias” e os “casos extremos em que a pessoa precise de estar internada muitos mais dias”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Está quase: ADSE e privados ultimam acordo parcial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião