Fizz. Advogado próximo de José Eduardo dos Santos vem a Portugal falar

Noronha Tiny é advogado e presidente do Banco Postal de Angola. Faz questão de testemunhar presencialmente em Portugal no caso que envolve Manuel Vicente. Sessão está marcada para dia 20 de março.

Mas afinal quem é N’ Gunu Olívio Noronha Tiny? O homem que, a 20 de março, irá testemunhar perante o coletivo de juízes que julga a chamada Operação Fizz. Advogado e presidente do Banco Postal de Angola, Noronha Tiny faz questão de vir a Portugal, de forma a testemunhar presencialmente em audiência. Chamado pela acusação (Ministério Público), o que será dito pelo advogado – muito próximo de José Eduardo dos Santos e que em tempos foi considerado o testa de ferro de Carlos Silva – é ainda uma incógnita.

Questionado pelo ECO, o advogado de Tiny, Rui Costa Pereira, da PLMJ, fechou-se em copas mas garantiu que a sessão terá lugar no dia 20 de março, podendo essa mesma sessão estender- se até à tarde.

Ao contrário do banqueiro Carlos Silva, Noronha Tiny quer depôr presencialmente. Em causa alguns negócios que terão sido acompanhados pelo advogado da empresa que terá contratado o ex- magistrado do Ministério Público, Orlando Figueira.

Em causa o processo da Operação Fizz, cujo julgamento começou há um mês, mas que não tem contado com a presença do arguido Manuel Vicente, já que a parte relativa ao ex-presidente da Sonangol foi separada do processo principal. Orlando Figueira — à data dos factos procurador do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) — é acusado de corrupção passiva, branqueamento de capitais (em coautoria com os outros três arguidos), violação de segredo de justiça e falsificação de documento (em coautoria com os restantes arguidos). Em concreto, Orlando Figueira é acusado de receber 763 mil euros para arquivar os inquéritos por corrupção que corriam contra o ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente.

O ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, é acusado de corrupção ativa (em coautoria com os arguidos Paulo Blanco e Armindo Pires), de branqueamento de capitais (em coautoria com os restantes arguidos) e falsificação de documento (em coautoria com os restantes arguidos).

Entre os acusados estão ainda o advogado Paulo Blanco, que responde por corrupção ativa (em coautoria com os arguidos Manuel Vicente e Armindo Perpétuo Pires), branqueamento de capitais (em coautoria com os restantes arguidos), violação de segredo de justiça e falsificação de documento (também em coautoria com os restantes arguidos).

Armindo Pires, representante em Portugal de Manuel Vicente, é acusado de corrupção ativa (em coautoria com os arguidos Paulo Blanco e Manuel Vicente), branqueamento de capitais (em coautoria com os restantes arguidos) e falsificação de documento (em coautoria com os restantes arguidos).

A disponibilidade de Noronha Tiny de se deslocar a Portugal para testemunhar surge no seguimento de uma carta rogatória enviada pelas autoridades portuguesas para as angolanas que incluía a notificação a Carlos Silva, presidente do Banco Atlântico Europa (com sede em Lisboa), do próprio Tiny e de mais dois cidadãos angolanos.

Já em sede de inquérito, em novembro de 2016, Tiny tinha prestado declarações. Foi questionado sobre a sua intervenção no negócio de compra da sociedade COBA (empresa de engenharia) por um consórcio angolano liderado pela Primagest em 2011 e sobre as ligações entre aquela empresa e a Sonangol. O advogado invocou por várias vezes o sigilo profissional de advogado para não responder a perguntas sobre a identidade dos representantes das sociedades Primagest e Berkeley e assumiu que o seu cliente era o Banco Privado Atlântico (atual Banco Atlântico Europa). Alegadamente, o banco liderado por Carlos Silva também terá participado no consórcio angolano que comprou a COBA. Quando foi questionado sobre a identidade dos seus interlocutores na administração do Banco Privado Atlântico, Tiny invocou igualmente o sigilo profissional de advogado para não responder.

Segundo o Observador, o advogado confirmou que teve a Sonangol como seu cliente entre 2005 e 2015 e que chegou a ter algumas reuniões com Manuel Vicente. Noronha Tiny foi confrontado com um conjunto de emails trocados entre diversos representantes do consórcio angolano (como o próprio Tiny) em que se lia que a COBA iria anunciar à comunicação social que a Primagest pertencia ao Grupo Sonangol mas o advogado limitou-se a confirmar que a existência das referidas comunicações eletrónicas sem adiantar mais nada.

E se Carlos Silva apenas se mostrou disponível para prestar esclarecimentos via Skype, o advogado de São Tomé fez questão de vir a Portugal para falar in loco com os juízes portugueses. Um testemunho que é esperado com alguma expectativa, já que a tese das defesas dos vários arguidos (referidos em cima) direcionam agora a responsabilidade para Carlos Silva, ao apontar o empresário como o responsável pela contratação de Orlando Figueira, de forma a afastar da mira da Justiça o ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente.

Próximo de José Eduardo dos Santos, Noronha Tiny licenciou-se em Lisboa pela Universidade Nova, doutorado pela London School of Economics e pela Harvard Law School. Foi ainda consultor do banco de investimento Goldman Sachs e do Carlyle Group.

Atualmente, e segundo o Observador, Noronha Tiny acumula a liderança do Grupo Emerald com o cargo de presidente do conselho de administração do Banco Postal: uma instituição financeira semelhante ao Banco CTT que foi lançada em março de 2017 em Luanda com um investimento inicial de 147,5 milhões de euros.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Fizz. Advogado próximo de José Eduardo dos Santos vem a Portugal falar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião