Partidos receberam 396 mil euros de IVA em 2017. Em 2016 foram cinco mil

  • ECO
  • 2 Março 2018

Nos últimos cinco anos, os partidos receberam cerca de 1,3 milhões de euros. Isto com base numa interpretação de 2002 da Autoridade Tributária para decidir o IVA que devolve ou não aos partidos.

Os partidos políticos receberam em 2017 quase 400 mil euros de reembolsos por despesas que tiveram com pagamentos que incluíam IVA. Um valor que compara com cinco mil no ano anterior. Segundo os números da Autoridade Tributária a que a TSF teve acesso, nos últimos cinco anos, os partidos receberam cerca de 1,3 milhões de euros. Isto com base numa interpretação de 2002, anterior à lei atual, para decidir o IVA que devolve ou não aos partidos.

Ao todo, os partidos receberam 396 mil euros de IVA no ano passado. Um valor que compara com 275 mil em 2013, 205 mil em 2014, 449 mil em 2015 e apenas cinco mil euros em 2016, segundo os números da Autoridade Tributária, que não detalha os valores exatos devolvidos a cada partido.

Segundo as Finanças, o único ofício-circulado da Autoridade Tributária que aborda o assunto data de 2002 e “não se encontra revogado e versa sobre as isenções previstas na lei de financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais”.

Em reação a esta resposta, Margarida Salema, antiga presidente da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos, diz que é “absolutamente incompreensível como é que um ofício-circulado datado de 2002 referente a uma lei totalmente revogada com novas filosofias e disposições pode ainda ser aplicado pela AT. A lei muda completamente mas a interpretação da lei não muda?”.

Foi no início deste ano que o Presidente da República decidiu chumbar a nova lei de financiamento dos partidos que previa, entre outras matérias, o alargamento do benefício da isenção do IVA a todas as atividades partidárias e ainda o fim do limite para as verbas obtidas através de iniciativas de angariação de fundos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partidos receberam 396 mil euros de IVA em 2017. Em 2016 foram cinco mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião