Puigdemont tenciona governar a Catalunha à distância

O antigo líder catalão, Carles Puigdemont, que se encontra asilado na Bélgica depois das tensões independentistas na Catalunha, vai criar um "Conselho da República" para liderar o movimento.

Apesar de ter anunciado esta quinta-feira a renúncia “provisória” à presidência do governo autónomo da Catalunha, Carles Puigdemont tenciona liderar o Governo catalão a partir da Bélgica, avançou esta sexta-feira o The Guardian. A ideia de Puigemont passa por manter acesa a chama do independentismo, mas à distância, num “espaço livre e sem ameaças ou receios”, disse o antigo presidente catalão ao jornal britânico.

“É como um Governo em exílio. Não está nas sombras. Preferimos trabalhar num espaço livre e sem ameaças ou receios. Deve poder agir sem os problemas levantados pela Justiça espanhola ou pela polícia. É um executivo ou Governo que deve representar a nossa realidade política, afirmou Carles Puigdemont, citado pelo The Guardian, um dia depois de ter sinalizado o seu número dois para a liderança da Generalitat.

Na quinta-feira, Carles Puigdemont disse que deu indicações ao presidente do Parlamento da Catalunha para que inicie contactos com Jordi Sànchez, número dois da lista “Juntos pela Catalunha”, no sentido de proceder à investidura. Mas, segundo informações apuradas pelo jornal El Español, a possibilidade poderá estar distante. Jordi Sànchez encontra-se preso há quatro meses em Soto del Real e o Supremo Tribunal não lhe deverá dar autorização para assistir à sessão, impedindo que seja investido como novo presidente catalão.

Ainda assim, no sentido de manter acesa a chama da independência da Catalunha, Carles Puigdemont vai criar um “Conselho da República” para coordenar a causa que defende e tem vindo a liderar. “Vai representar a diversidade [catalã]. Vou convidar outros partidos para fazerem parte. O conselho deverá ter representação das comunidades locais e da sociedade civil. Vamos passar de um sistema antigo de Governo para as pessoas para um novo sistema em que é [o Governo] com as pessoas”, explicou Puigdemont, que será o presidente desta nova entidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Puigdemont tenciona governar a Catalunha à distância

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião