UE considera impor tarifas de “salvaguarda” em resposta aos EUA

  • Rita Atalaia e Lusa
  • 2 Março 2018

A comissária europeia para o Comércio diz que a Comissão Europeia tem de responder às tarifas às importações de aço e de alumínio. Responsáveis aguardam por anúncio formal dos EUA.

A Comissão Europeia disse que ia responder à decisão de Donald Trump de aplicar tarifas às importações de aço e de alumínio. E cumpriu. Bruxelas diz que vai considerar a possibilidade de vir a impor tarifas de “salvaguarda”. Cecilia Malmstrom, a comissária europeia para o Comércio, afirma que a Comissão Europeia vai aguardar pelo anúncio formal por parte dos EUA para tomar uma decisão.

Numa entrevista ao Financial Times (acesso pago/ conteúdo em inglês), Cecilia Malmstrom alerta que a União Europeia não terá escolha se não responder às medidas que o Presidente dos EUA quer impor nas próximas semanas. Donald Trump disse, durante um encontro na Casa Branca com executivos de empresas produtoras e transformadoras dos dois metais, que quer aplicar penalizações de 25% nas importações de aço e 10% nas importações de alumínio.

"A imposição deste tipo de medidas não é o caminho a seguir. Arriscamos assistir a um efeito dominó.”

Cecilia Malmstrom

Comissária europeia para o Comércio

A comissária europeia com a pasta do Comércio salienta que a decisão de Trump é preocupante. “A imposição deste tipo de medidas não é o caminho a seguir”, afirma Cecilia Malmstrom. “Arriscamos assistir a um efeito dominó”, acrescenta. Depois do anúncio dos EUA, a responsável já tinha afirmado que estas tarifas “vão ter um impacto negativo nas relações transatlânticas e nos mercados mundiais”.

Para Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, a iniciativa dos EUA parece ser “uma intervenção flagrante para proteger a indústria” norte-americana e “não se basear em justificações ligadas à segurança nacional”. Juncker acrescentou que “esta decisão [de Trump] só pode agravar as coisas, em vez de favorecer uma solução”. “Não vamos ficar de braços cruzados quando a nossa indústria é atacada com medidas injustas”, frisou.

O ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Sigmar Gabriel, também já veio pedir uma resposta “firme” por parte da União Europeia contra a decisão do presidente norte-americano acerca da tributação sobre as importações do aço e alumínio. “A União Europeia deve reagir de forma firme às taxas aduaneiras punitivas dos Estados Unidos que ameaçam milhares de postos de trabalho na Europa”, disse.

China pede a Washington que trave medidas protecionistas

Já a China apelou a Washington que “trave” as medidas protecionistas e “respeite as regras” do comércio multilateral. “A China pede aos Estados Unidos que travem o recurso a medidas protecionistas e respeitem as regras do comércio multilateral”, afirmou Hua Chunying, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros.

Se outros países seguissem o exemplo [norte-americano], teria um grave impacto na ordem do comércio multilateral“, referiu Hua.

A porta-voz da diplomacia chinesa afirmou que os EUA oferecem já uma “proteção excessiva” aos seus produtores de aço e alumínio, tendo adotado “mais de uma centena” de medidas contra a importação daqueles produtos. Hua Chunying não mencionou, no entanto, possíveis represálias por parte de Pequim.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE considera impor tarifas de “salvaguarda” em resposta aos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião