Lisboa recebeu quase um cruzeiro por dia. É um novo recorde

  • Ana Batalha Oliveira
  • 6 Março 2018

Os portos portugueses quebram recordes, com a capital na dianteira. Os números "contribuem significativamente para os valores positivos que o turismo tem alcançado em Portugal", diz a APL.

Foram 947 os cruzeiros que atracaram na costa portuguesa durante o ano passado. E praticamente um terço destes passaram por Lisboa, com a capital a receber quase um navio de turismo por dia. No total, os portos trouxeram 1,3 milhões de visitantes ao país, sendo que no número de turistas ninguém conseguiu bater a Madeira.

Não houve exceção: em 2017, todos os portos portugueses receberam mais passageiros do que no ano anterior. No total, este número subiu 5%. Isto, claro, à boleia dos cruzeiros, que registaram um aumento de 10% nas escalas — ascenderam a 947, números divulgados pela Administração do Porto de Lisboa em comunicado. De acordo com a mesma entidade, estes resultados “contribuem significativamente para os valores positivos que o turismo tem alcançado em Portugal e na forma como o país se projeta para os mercados emissores”.

Lisboa viu 330 navios a chegar ao Tejo — quase tantos como os dias do ano –, atingindo um novo recorde. Na Madeira, os portos do Funchal e Porto Santo serviram de porta de entrada a mais de meio milhão de passageiros, mais do que aqueles que vieram à capital por alto mar. Esta não é a única ilha que merece festejar: nos Açores, as escalas cresceram 26%, de 121 para 152. Os visitantes não ficaram para trás: passaram de 125.904 em 2016 para 135.783 em 2017.

"Estes resultados contribuem significativamente para os valores positivos que o turismo tem alcançado em Portugal e na forma como o país se projeta para os mercados emissores.”

APL

Portimão foi a cidade que mais notou diferença no dinamismo conseguido a partir do porto. A afluência de passageiros cresceu 53%, o mais expressivo entre os pares. Recebeu 29.859 visitantes. Também o número de escalas disparou como nenhum outro, 65%, de 43 para 71.

Em Leixões o número é redondo: 100 escalas, contra as 84 registadas em 2016, chegando aos 95.562 visitantes. Já Viana do Castelo contribuiu com uma única visita, voltando a abrir o porto um navio de cruzeiro em 2017.

Para o ano há mais… navios, eventos e recordes

Novo ano, novo recorde, afirma a Administração do Porto de Lisboa. Esta previsão assenta no facto de, nos dias 19 a 20 de setembro, ter lugar na capital portuguesa o Seatrade Cruise Med, “o maior [evento] para o mercado de cruzeiros do mediterrâneo”, nota o comunicado, que assinala o evento como “uma importante alavanca no crescimento dos portos nacionais no que diz respeito à atividade de cruzeiros”. A influência positiva do evento já foi notada em destinos anteriores.

De momento, os portos de Leixões, Lisboa, Setúbal, Portimão, Açores e Madeira, encontram-se reunidos na Seatrade Cruise Global, o maior evento mundial de cruzeiros, que está a decorrer até quinta-feira nos EUA. Estes portos fazem-se representar sob uma marca unificada, a Cruise Portugal – APP, Portos de Portugal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa recebeu quase um cruzeiro por dia. É um novo recorde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião