Governo dá quase 50 milhões para meios aéreos. E talvez mais

  • Lusa e ECO
  • 6 Março 2018

O Governo vai destinar quase 50 milhões para adquirir de meios aéreos de combate aos incêndios, mas o Governo diz ter abertura à aquisição de mais recursos caso "condições excecionais o justifiquem".

Vai ser realizado um concurso urgente, com um prazo de 15 dias, para a contratação de 40 meios aéreos de combate a incêndios florestais de 2018 até 2020. A informação foi publicada esta terça-feira em Diário da República. Contudo, o ministro garante que se tiverem “condições excecionais que o justifiquem”, não deixarão “de recorrer a todos os mecanismos”, deixando em aberto contratações para lá do Orçamento.

“O nosso firme compromisso é que se em qualquer momento, mesmo em março ou abril, isto é, antes do verão, tivermos condições excecionais que o justifiquem, nós não deixaremos de recorrer a todos os mecanismos, designadamente, se for necessária, a contratação imediata por ajuste direto dos meios aéreos”, assumiu Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, à margem da sua intervenção no Fórum Europeu de Proteção Civil, que decorre em Bruxelas.

O Conselho de Ministro autoriza a realização de despesa, por parte da ANPC, para a contratação de meios aéreos de combate aos incêndios florestais para o período de 2018-2020, num montante total de 48.888.667 euros. O concurso para a aquisição de novos meios aéreos já tinha sido anunciado por Eduardo Cabrita durante uma visita à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), no âmbito do Dia da Proteção Civil, no passado dia 1 de março.

Esta autorização de despesa surge após o concurso público internacional lançado pelo Governo no final do ano passado para aluguer de 50 meios aéreos de combate a incêndios ter permitido apenas a contratação de dez helicópteros, ficando os restantes desertos. “Ajustando as necessidades de alguns lotes por ter havido decisão do júri de não consideração das candidaturas apresentadas, fazemos agora por concurso urgente que a lei prevê que possa decorrer de um prazo de 15 dias”, disse Eduardo Cabrita.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo dá quase 50 milhões para meios aéreos. E talvez mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião