Guerra comercial entre UE e EUA? OCDE pede “solução global” para o aço

Angel Gurría pede que se acelerem os esforços para chegar a uma "solução global". Perante a potencial guerra comercial entre Bruxelas e Washington, a OCDE pede que se evite um agravamento do conflito.

A Organização para Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) não vê com bons olhos o potencial conflito comercial entre a União Europeia e os Estados Unidos. Angel Gurría quer evitar o agravamento da situação e pede aos governos que cheguem a uma “solução global” de longo prazo. O caso começou com uma decisão de Donald Trump que deverá ser ripostada pela Comissão Europeia em breve.

“Como o passado nos mostra repetidamente, precisamos de soluções globais para problemas globais e isso é exatamente o porquê de existir um Fórum Global sobre a Capacidade Excessiva de Aço”, afirma Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, esta terça-feira, em comunicado enviado às redações. A Organização quer que se use esse espaço criado em 2016 para chegar a acordos, mas pede que se “acelerem os esforços”.

A OCDE sugere que os políticos vejam o problema de forma alargada, focando-se na sua substância e causas e não nas suas consequências. Quando criaram o fórum, os países da OCDE aprovaram recomendações que passavam pela reestruturação da indústria do aço e a eliminação de subsídios que criaram distorções no mercado. Existe um encontro marcado para junho deste ano, mas Gurría exige medidas concretas dada a “urgência da situação”.

“A indústria do aço está a ser confrontada com problemas sérios de comércio em todo o mundo, talvez os mais severos na sua história”, refere o comunicado da OCDE, assinalando que houve um aumento das medidas protecionistas, o que está a prejudicar muitas empresas da indústria. A organização critica os governos por não estarem a tomar as medidas tão rápido quanto necessário e pede que haja uma resposta coordenada de forma a reforçar a resiliência do setor.

O problema do aço voltou a estar na agenda mediática na semana passada depois de Donald Trump ter anunciado uma taxa alfandegária de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as de alumínio. A medida recebeu críticas da comunidade internacional e Bruxelas prepara-se agora para responder.

Segundo a Bloomberg, a Comissão Europeia está a preparar uma lista de produtos norte-americanos sobre os quais pretende agravar a taxa de importação. Nessa lista estarão incluídos, por exemplo, t-shirts, whiskey, motas, barcos ou aço.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra comercial entre UE e EUA? OCDE pede “solução global” para o aço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião